Ferramentas Pessoais

Você está aqui: Página Inicial / Turnera subulata Sm.

Turnera subulata Sm.

Família: TURNERACEAE

Nome científico: Turnera subulata Sm.

Nome popular: chanana, flor-do-guarujá

 

Turnera subulata - Canto das Flores 4

Turnera subulata - Canto das Flores 2

Turnera subulata - Canto das Flores 3

Turnera subulata - Canto das Flores 5

Turnera subulata - Canto das Flores 1

Fotos: Ricardo Cardoso Antonio

Barra exsicata

Para o PDF da etiqueta, clique aqui.

Turnera subulata - exsicata corrigida

Foto: Matheus Gimenez Guasti

Barra verde - características

Popularmente conhecida como chanana ou flor-do-guarujá, a Turnera subulata é nativa da América Tropical, com ocorrência registrada em quase todo o território brasileiro, podendo ser encontrada, preferencialmente, em áreas litorâneas, sendo muito comum nas restingas da região nordeste brasileira. Esta espécie se apresenta, comumente, como uma erva perene, com cerca de 50 cm de altura, podendo ocorrer em forma arbustiva em condições extremamente favoráveis. Possui caule pouco ramificado, tomentoso, com filotaxia alterna, folhas simples, pecioladas, membranáceas, levemente discolores, elípticas, pouco alongadas e com margem serrada. Suas flores são solitárias, epífilas, com pedúnculo adnato ao pecíolo. Possui cálice gamossépalo na porção basal, de cor verde amarelada, ornado com bractéolas subuladas. Sua corola é dialipétala, com pétalas creme de base castanho-escura.

Esta espécie é cultivada comercialmente para fins ornamentais, devido ao agradável efeito que suas flores causam na composição de canteiros: suas belas e chamativas flores se abrem pela manhã e se fecham logo após o meio-dia. Embora esta espécie também ocorra espontaneamente, a facilidade na dispersão de suas sementes e o rápido crescimento fazem da chanana uma espécie, muitas vezes, considerada daninha, por crescer em culturas, pomares e áreas de plantação comercial. Quem a considera daninha, provavelmente, não sabe que a chanana é uma PANC: suas flores têm sabor adocicado e podem ser consumidas in natura; suas folhas podem ser submetidas a infusão para preparação de chás ou secas e moídas, e utilizadas como tempero, chamado de oreganillo.

Além de PANC e ornamental, a chanana também possui utilização na medicina popular tradiconal há muito tempo, embora existam poucos estudos sobre suas propriedades farmacológicas. Na região nordeste do Brasil, é muito usada no tratamento de disfunções menstruais, como cólicas e ausência de menstruação, sendo ainda recomendada no tratamento de tumores, doenças gastrointestinais, gripes e problemas respiratórios.

O nome do gênero, Turnera, bem como a família botânica, Turneraceae, é uma homenagem feita por Charles Plumier (1646-1704) ao Reverendo William Turner (1510-1568), que mesmo sendo um apoiador da Reforma luterana, tornou-se médico, físico, zoólogo, naturalista e herbalista: um cientista, considerado o "pai da botânica inglesa". Ele é autor do primeiro compêndio de ervas medicinais escrito por um inglês na língua inglesa: A New Herbal. De acordo com o próprio Turner, o livro foi escrito em inglês para ser útil a todos os médicos, farmacêuticos e cirurgiões que não compreendiam bem o grego ou o latim. Seu livro contém a descrição de mais de 230 plantas, seus nomes em vários idiomas, indicações de uso e instruções de preparo. O epíteto específico, subulata, significa algo fino e pontudo, como uma agulha, uma referência às bractéolas que a chanana possui, ornamentando seu cálice. 

A chanana é ainda considerada a flor símbolo da cidade de Natal*, capital do Rio Grande do Norte, onde esta planta é admirada e cantada em verso e prosa**. Nas palavras do poeta Diógenes da Cunha Lima, que sugeriu esta espécie como símbolo da cidade, a chanana se identifica com a cidade de Natal pela "persistência, resistência, valor estético, e fortaleza (...) é como a esperança, brota ainda que não seja esperada". A diferença é que lá, o nome é escrito com X. A explicação para isso está na extraordinária sugestão do Prof. Daladier da Cunha Lima: "Nos dicionários encontramos 'chanana', mas os poetas preferem 'xanana'. Dizem ter mais charme, escrita com x. Sigamos os poetas, pois eles têm percepções que os simples mortais não têm."  

Que seja então como os poetas: Turnera subulata, popularmente conhecida como xanana...

Autoria: Sandra Zorat Cordeiro

*Embora alguns sites indiquem que a espécie em questão é Turnera ulmifolia, esta espécie não ocorre espontaneamente no Brasil e as imagens remetem à Turnera subulata. De acordo com a literatura, há muitas amostras de Turnera subulata identificadas equivocadamente como Turnera ulmifolia, e que ainda não foram devidamente corrigidas.

**Para conhecer a arte por trás da admiração, é só clicar em:

 

Barra verde - referências bibliográficas

Agra, M.F.; Baracho, G.; Nurit, K.; Basílio, I.; Coelho, V. Medicinal and poisonous diversity of the flora of "Cariri Paraibano”, Brazil. Journal of Ethnopharmacology, v. 111, n. 2, p. 383-395, 2007.

Arbo, M.M. Estudios sistemáticos en Turnera (Turneraceae). III Series Anomalae y Turnera. Bonplandia v. 14, n. 3/4, p.: 115-318, 2005.

Arbo, M.M.; Silva, P.H. Turneraceae In: Wanderley, M.G.L.; Shepherd, G.J.; Giulietti, A.M.; Melhem, T.S. (Coord.) Flora Fanerogâmica do Estado de São Paulo. São Paulo: FAPESP-RiMa, 2005. p.351-359. Disponível em: https://www.infraestruturameioambiente.sp.gov.br/institutodebotanica/wp-content/uploads/sites/235/2016/06/FFESP-Volume-IV_06_24.pdf. Acesso em 02 Mar. 2020.

Barbosa, D.A.; Nurit-Silva, K.; Agra, MF. Estudo farmacobotânico comparativo de folhas de Turnera chamaedrifolia Cambess. e Turnera subulata Sm. (Turneraceae). Revista Brasileira de Farmacognosia, v. 17, n. 3, p. 396-413, 2007.

Harrison, L. (2012) Latim para jardinistas: mais de 3000 plantas explicadas e detalhadas. São Paulo: ed. Europa. 

Kinupp, V.F., Lorenzi, H. (2017) Plantas Alimentícias Não Convencionais (PANC) no Brasil. Reimpressão, São Paulo: Instituto Plantarum de Estudos da Flora.

Lorenzi, H. (2015) Plantas para jardim no Brasil – herbáceas, arbustivas e trepadeiras. 2ª. ed., São Paulo: Instituto Plantarum de Estudos da Flora.

Medeiros, C. Ode às xananas. In: Revista PREA - Revista da Fundação José Augusto Secretaria Extraordinária de Cultura do Rio Grande do Norte. v. 9, n. 23, p. 72. Disponível em https://issuu.com/revista_prea/docs/revista_prea_23. Acesso em 03 Mar. 2020.

Moreira, H.J.C.; Bragança, H.B.N. (2011) Manual de identificação de plantas infestantes - Hortifrúti. São Paulo: FMC Agricultural Products.

Quattrocchi, U. (2012) CRC World Dictionary of Medicinal and Poisonous Plants: Common Names, Scientific Names, Eponyms, Synonyms, and Etymology. Reimpressão. Boca Raton: CRC Press. 

Rees, A. The Cyclopædia; or, Universal Dictionary of Arts, Sciences, and Literature. v. 36. London: Longman, Hurst, Rees, Orme & Brown. 1819. 

Rocha, L.; Camacho, R.G.V.; Sales, M.F.; Melo, J.I.M. Flora da Região de Xingó, Alagoas e Sergipe (Brasil): Turneraceae. Rodriguésia, v. 68, n.2, p. 569-579, 2017

Rocha, L.N.G.; Melo, J.I.M.; Camacho, R.G.V. Flora do Rio Grande do Norte, Brasil: Turneraceae Kunth ex DC. Rodriguésia, v. 63, n. 4, p. 1085-1099, 2012.

Rocha, L.; Nogueira, J.W.A.; Figueiredo, M.F.; Loiola, M.I.B. Flora do Ceará: Turneraceae. Rodriguésia, v. 69, n. 4, p. 1673-1700, 2018.

Saravanan, M.; Senthilkumar, P.; Kalimuthu, K.; Chinnadurai, V.; Vasantharaj, S.; Pugazhendhi, A. Phytochemical and pharmacological profiling of Turnera subulata Sm., a vital medicinal herb. Industrial Crops and Products, v. 124, p. 822-833, 2018.

Turnera in Flora do Brasil 2020 em construção. Jardim Botânico do Rio de Janeiro. Disponível em: <http://reflora.jbrj.gov.br/reflora/floradobrasil/FB21354>. Acesso em: 02 Mar. 2020.

Zens, C. A flor xanana. Vídeo disponível em https://www.youtube.com/watch?v=83VkbD_tFWk&feature=youtu.be. Acesso em 03 Mar. 2020.

 

contador gratuito
Menu

Página Inicial

Histórico

Patrono

Acervo

- Coleção Claudia Bove

Serviços

Equipe

Colaboradores

Parcerias

Projetos de Extensão   

- Canto das Flores ONLINE  Novo 3

     Logo Coleção Didática - definitivo

Fale conosco

Divulgação

HUNI na mídia

Eventos

Agradecimentos

 

ACESSO AO ACERVO HUNI

>>> JABOT <<<

     Logo HUNI sem nome 

>>> SPECIES LINK <<<

     Logo HUNI sem nome

Nossas mídias sociais: 

Logo Facebook   Logo Instagram

 

Apoio

Logo FAPERJ

 

 

 

 

Colaboração

              JBRJ

 INCT

SpeciesLink