Ferramentas Pessoais

Você está aqui: Página Inicial / Tithonia rotundifolia (Mill.) S.F.Blake

Tithonia rotundifolia (Mill.) S.F.Blake

Família: ASTERACEAE

Nome científico: Tithonia rotundifolia (Mill.) S.F.Blake

Nome popular: girassol-mexicano

 

Tithonia rotundifolia - Canto das Flores 1

Tithonia rotundifolia - Canto das Flores 2

Tithonia rotundifolia - Canto das flores 4

Tithonia rotundifolia - Canto das Flores 3

Tithonia rotundifolia - Canto das flores 5

Fotos: Ricardo Cardoso Antonio

Barra exsicata

Para o PDF da etiqueta, clique aqui.

Exsicata - Tithonia rotundifolia

Foto: Matheus Gimenez Guasti

Barra verde - características

O girassol-mexicano, como o nome diz, é oriundo do México e América Central e se caracteriza por ser uma planta de porte arbustivo, atingindo cerca de 2,0 m de altura, com base lenhosa e ramos de textura herbácea cobertos por pelos. As folhas de Tithonia rotundifolia têm filotaxia alterna, formato deltoide, com lâminas inteiras ou com recortes, diferenciando-as em folhas com três lóbulos; apresentam margem denteada e são discolores, com face adaxial mais escura e face abaxial pubescente. As flores são, na verdade, inflorescências solitárias e terminais tipo capítulo, abrigando pequenas e inúmeras flores sobre um receptáculo. As pequenas flores que ocupam o centro do capítulo, denominadas flores do disco, apresentam diminuta corola amarela. Já as flores que ocupam a periferia do capítulo, denominadas flores do raio, são assexuadas e apresentam o que comumente é considerado pétala, mas não o é. Assim como no Cosmos sulphureus Cav., o que comumente é chamado de "pétala", na verdade, é uma estrutura que compõe uma corola ligulada, cuja função é atrair polinizadores.

Seu epíteto específico rotundifoliabem comum em outras espécies vegetais, significa redonda, em referência ao formato de suas folhas. O mais curioso desta espécie, no entanto, é a origem do seu nome genérico.

Há várias explicações para o nome do gênero Tithonia, mas todas concordam que é uma referência a Tithonus, amante de Aurora, deusa do amanhecer segundo a mitologia romana (ou Eos, na mitologia grega). Para alguns autores, o gênero foi assim nomeado pois as flores possuem a cor da aurora... Já outros autores reportam o nome ao fato de que as espécies de Thitonia abrem suas flores durante a madrugada, como se esperassem a chegada da Aurora, o que é bem poético...

O nome Tithonia é derivado de Tithonus, príncipe de Tróia, irmão de Príamo, tio de Hector e Páris, aquele que matou Aquiles. De acordo com o poeta grego Homero, Tithonus era um dos mais belos homens que já existiu, e foi por ele que Aurora se apaixonou loucamente. Pelo fato de ser deusa, e assim, imortal, ela pediu a Zeus que concedesse ao seu amado a imortalidade, e seu pedido foi concedido. Com o passar do tempo, ela começou a notar alguns cabelos brancos na cabeça de Tithonus e ficou aterrorizada ao perceber que tinha se esquecido de pedir, junto com a imortalidade, também a eterna juventude... Assim ele foi envelhecendo, sem no entanto, nunca morrer. 

O belíssimo poema Tithonus, de Lord Tennison (Alfred Tennison), poeta inglês nascido no século XIX, conta a triste e angustiante história deste personagem que, já velho mas imortal, implora para que Aurora o liberte desta maldição e lhe conceda a morte.

Mas não é só na Botânica que esse personagem foi lembrado para batizar uma espécie. Na zoologia, nada menos que três autores nomearam gêneros de coleópteros como o nome Tithonus, mas o nome do gênero caiu. Atualmente, uma borboleta ainda carrega esse nome, mas no seu epíteto: Pyronia tithonus L., com ocorrência na Europa, popularmente conhecida como "guarda-portões" em Portugal, "gatekeeper" na Inglaterra, ou simplemente "titonia", na Itália. Assim como o girassol-mexicano, também cor-de-laranja, também da cor da aurora...

Texto: Sandra Zorat Cordeiro

Barra verde - referências bibliográficas

Castro, M.N.M.; Barros, M.E.S.; Rodrigues-das-Dores, R.G.; Stefani, R. Atividade antifúngica e toxicidade das inflorescências de flor-do-amazonas (Tithonia diversifolia). Revista Eletrônica de Farmácia, v. 7, n. 3, p. 72-81, 2010.

Lorenzi, H. (2015) Plantas para jardim no Brasil – herbáceas, arbustivas e trepadeiras. 2ª. ed., São Paulo: Instituto Plantarum de Estudos da Flora.

MOBOT - The Missouri Botanical Garden.  Plant finder - Tithonia rotundifolia.                                          Disponível em: http://www.missouribotanicalgarden.org/PlantFinder/PlantFinderDetails.aspx?taxonid=277484&isprofile=1&basic=tithonia%20rotundifolia. Acesso em 26 set. 2019.

Monaco Nature Encyclopedia. Pyronia tithonus. Disponível em: https://www.monaconatureencyclopedia.com/pyronia-tithonus/. Acesso em 10 Out. 2019.

Tithonia in Flora do Brasil 2020 em construção. Jardim Botânico do Rio de Janeiro. Disponível em: <http://floradobrasil.jbrj.gov.br/reflora/floradobrasil/FB16350>. Acesso em: 26 Set. 2019

Zardini, E.M.  Dos Compuestas del género Tithonia, adventicias, nuevas para la flora jujeña. Darwiniana, v. 18, n. ¾, p. 421-424. 1974.

Menu

Página Inicial

Histórico

Patrono

Acervo

- Coleção Claudia Bove

Serviços

Equipe

Colaboradores

Parcerias

Projetos de Extensão   

- Canto das Flores ONLINE  Novo 3

     Logo Coleção Didática - definitivo

Fale conosco

Divulgação

HUNI na mídia

Eventos

Agradecimentos

Acesso do acervo HUNI

 >>> JABOT <<<

            Logo HUNI sem nome 

>>> SPECIES LINK <<<

           Logo HUNI sem nome

 Apoio

Logo FAPERJ






Colaboração                           

JBRJ

 

 INCT

SpeciesLink