Ferramentas Pessoais

Você está aqui: Página Inicial / Talinum fruticosum (L.) Juss.

Talinum fruticosum (L.) Juss.

Família: TALINACEAE

Nome científico: Talinum fruticosum (L.) Juss.

Nome popular: maria-gorda

 

Talinum fruticosum - Canto das Flores 8

Talinum fruticosum - Canto das Flores 10

Talinum fruticosum - Canto das Flores 3

Talinum fruticosum - Canto das Flores 2

Talinum fruticosum - Canto das Flores 1

Fotos: Alice Worcman - Organicidade

Talinum fruticosum - Canto das Flores 4

Talinum fruticosum - Canto das Flores 5

Fotos: Ricardo Cardoso Antonio

Talinum fruticosum - Canto das Flores 6

Foto: Sandra Zorat Cordeiro

Talinum fruticosum - Canto das Flores 7

Talinum fruticosum - Canto das Flores 9

Fotos: Ricardo Cardoso Antonio

Barra exsicata

Para o PDF da etiqueta, clique aqui.

Talinum fruticosum - Exsicata corrigida

Foto: Matheus Gimenez Guasti

Barra verde - características

Talinum fruticosum, popularmente chamado de carirubeldroega-graúda ou maria-gorda, é uma espécie proveniente das regiões tropicais da América há muito introduzida na África, onde é considerada nativa. Muito comum em ambientes ruderais e frequentemente encontrada como ornamental, se tornou, nos últimos anos, uma estrela do movimento PANC, pela sua facilidade de cultivo, rápido crescimento e alto valor nutricional. 

A maria-gorda se apresenta com uma erva ereta, suculenta, atingindo até 60 cm de altura. Seu caule é circular, carnoso, pouco ramificado, com filotaxia alterna a partir da base e filotaxia verticilada logo abaixo da inflorescência. Possui folhas pecioladas ou subssésseis, grossas, levemente suculentas, glabras, obovadas a lanceoladas, com ápice arredondado e base atenuada, de cor verde intenso. As inflorescências são terminais tipo panículapaucifloras, com pedúnculos e pedicelos triangulares. As flores possuem duas sépalas verdes, triangulares, cinco pétalas róseas ou, mais raramente, brancas ou amareladas, suavemente ovaladas, com ápice obtuso ou mucronado. Os estames são amarelos e o estigma é rosa, tripartido. Fruto tipo cápsula, globosa, de cor amarela, com pequenas sementes pretas. Propaga-se facilmente também por folhas e fragmentos do caule.

Apesar de ruderal, Talinum fruticosum é considerado uma planta ornamental por conta da forte cor verde de suas folhas contrastando com as mimosas flores cor-de-rosa, enfeitando vasos e jardins. Também é usado na medicina caseira para o tratamento de diabetes, sarampo e constipação, sendo muito eficaz no cuidado de feridas, eczemas e cicatrizações devido seu alto teor de mucilagem com propriedades emolientes. Possui ainda propriedades hepato-protetora, nefro-protetora, anti-séptica, antibacteriana e anti-inflamatória. Embora seja, há muito tempo, usado como alimento em países africanos, onde foi introduzido, aqui no Brasil é considerado uma planta alimentícia não-convencional. 

A beldroega-graúda é uma espécie potencialmente alimentar pela sua facilidade de cultivo, baixo valor calórico e altos valores nutricionais, de fibras e, especialmente, de ferro. Apesar de tantos predicados, estudos científicos comprovaram também a presença de substâncias chamadas de anti-nutricionais, que afetam a qualidade do alimento, como taninos (os famosos amarra-boca de frutos não-maduros) e lectinas (proteínas ligantes de carboidratos que podem prejudicar a absorção de nutrientes no intestino). Por conta disso, recomenda-se evitar o consumo da beldroega-graúda in natura, dando-se preferência a pratos cozidos, como sopas, caldos, tortas, refogados, omeletes, massas ou risotos, que mesmo após a preparação, não perderão seu alto teor de minerais.

O nome do gênero, Talinum, possui uma origem pouco clara. Na literatura taxonômica, há suposição de que derive originalmente do grego Θάλεια (thaleia) que provém de Θαλλω (thallos) e significa algo como "brotar abundantemente" ou "florescer". Seu epíteto específicofruticosum deriva do latim fruticōsus, que significa "com muitos brotos".

Antes de ser denominada Talinum fruticosum, a maria-gorda teve outras denominações que ainda são frequentemente encontradas na literatura: Talinum crassifolium (por causa das folhas grossas), Talinum racemosum (pelas inflorescências em panícula, um racemo composto) e Talinum triangulare (pela forma da seção transversal do pedúnculos e pedicelos) são as mais comuns. Antes ainda de pertencer ao gênero Talinum, foi classificada como uma Portulaca, fazendo parte da família Portulacaceae, a mesma da Portulaca umbraticola, que também faz parte da nossa Coleção Didática. Por isso, também é comum encontrar os nomes Portulaca fruticosa, Portulaca crassifolia, Portulaca racemosa ou Portulaca triangulare como sinônimos para denominar esta espécie.

O Talinum fruticosum é muito confundido com o Talinum paniculatum, popularmente chamado de beldroegão ou major-gomes, com pequenas flores cor-de-rosa e também uma estrela do movimento PANC.

Mas isso já é uma outra história, para outra postagem...

 

Autoria: Sandra Zorat Cordeiro

 

NOTA

 

Talinum paniculatum (Jacq.) Gaertn., o popular "major-gomes", muito confundido com o Talinum fruticosum:

Talinum paniculatum - farkomer

Foto: farkomer / Creative Commons BY-NC-ND

 

Talinum paniculatum - Robert Lafond

Foto: Robert Lafond / Creative Commons BY-SA

 

Talinum paniculatum - Robert Lafond

 Foto: 阿橋 HQ / Creative Commons BY-SA

 

Barra verde - referências bibliográficas

GBIF - Global Biodiversity Information Facility. Talinum fruticosum (L.) Juss. Disponível em: https://www.gbif.org/species/3084670. Acesso: 16 Set. 2020.

Hassemer, G. Talinaceae in Flora do Brasil 2020 em construção. Jardim Botânico do Rio de Janeiro. Disponível em: http://reflora.jbrj.gov.br/reflora/floradobrasil/FB24347. Acesso em: 16 Set. 2020.

Kinupp, V.F.; Lorenzi, H. (2017) Plantas Alimentícias Não Convencionais (PANC) no Brasil. Reimpressão, São Paulo: Instituto Plantarum de Estudos da Flora.

Leite, J.F.M.; Silva, J.A.; Gadelha, T.S.; Gadelha, C.A.; Siqueira-Júnior, J.P. Nutritional value and antinutritional factors of foliaceous vegetable Talinum fruticosum. Revista do Instituto Adolfo Lutz, v. 63, n. 3, p. 341-345, 2009.

Mendoza F., J.M.; Wood, J.R.I. Taxonomic revision of Talinum (Talinaceae) in Bolivia with a note on the occurrence of Phemeranthus (Montiaceae). Kew Bulletin, v. 68, n. 2, p. 233-247, 2013.

Moreira, H.J.C.; Bragança, H.B.N. (2011) Manual de identificação de plantas infestantes - Hortifrúti. São Paulo: FMC Agricultural Products.

Quattrocchi, U. CRC World Dictionary of Medicinal and Poisonous Plants: Common Names, Scientific Names, Eponyms, Synonyms, and Etymology. Reimpressão. Boca Raton: CRC Press. 2012.

Rodrigues, M.I.A.; Furlan, A. (2012). Portulacaceae. InWanderley, M.G.L.; Shepherd, G.J.; Giulietti, A.M. Flora Fanerogâmica do Estado de São Paulo. v. 2, p. 261. Disponível em: https://www.infraestruturameioambiente.sp.gov.br/institutodebotanica/wp-content/uploads/sites/235/2016/06/FFESP-Volume-II_06_24.pdf. Acesso em 16 Set. 2020.

Teixeira, L. Portulacaceae da cidade do Rio de Janeiro. Rodriguésia, v. 21/22, n. 33/34, p. 299-316, 1959

Vieira, A.C.M.; Conceição, C.C.N.; Moura, M.R.L.; Soares, N.F.; Emídio, R.L.; Almeida, T.V.P.A. Manual sobre Plantas Alimentícias Não-Convencionais. Volume 1. 1ª. ed. Rio de Janeiro: CERCEAV, 2018. 

N°. de acessos: contador gratuito
Menu

Página Inicial

Histórico

Patrono

Acervo

- Coleção Claudia Bove

Serviços

Equipe

Colaboradores

Parcerias

Projetos de Extensão   

- Canto das Flores ONLINE  Novo 3

     Logo Coleção Didática - definitivo

Fale conosco

Divulgação

HUNI na mídia

Eventos

Agradecimentos

Acesso do acervo HUNI

 >>> JABOT <<<

            Logo HUNI sem nome 

>>> SPECIES LINK <<<

           Logo HUNI sem nome

 Apoio

Logo FAPERJ

 

 

 

 

 

Colaboração                           

JBRJ

 

 INCT

SpeciesLink