Ferramentas Pessoais

Você está aqui: Página Inicial / Pelargonium × hortorum L.H. Bailey

Pelargonium × hortorum L.H. Bailey

Família: GERANIACEAE

Nome científico: Pelargonium × hortorum L.H. Bailey

Nome popular: gerânio

 

Pelargonium x hortorum - Canto das Flores 8

Pelargonium x hortorum - Canto das Flores 7

Pelargonium x hortorum - Canto das Flores 9

Fotos: Alice Worcman - Organicidade

Pelargonium x hortorum - Canto das Flores 3

Foto: Sandra Zorat Cordeiro 

Pelargonium x hortorum - Canto das Flores 4

Pelargonium x hortorum - Canto das Flores 1

Pelargonium x hortorum - Canto das Flores 5

Pelargonium x hortorum - Canto das Flores 6

Fotos: Ricardo Cardoso Antonio

Barra exsicata

Para o PDF da etiqueta, clique aqui.

Pelargonium x hortorum - Exsicata

Foto: Matheus Gimenez Guasti

Barra verde - características

Pelargonium x hortorum, popularmente conhecido como gerânio, é um híbrido botânico, amplamente cultivado e comercializado para a ornamentação de jardins devido à beleza de suas flores, que se apresentam reunidas em um colorido e exuberante buquê. Este híbrido originou-se do cruzamento de outras espécies de Pelargonium denominadas espécies parentais: P. zonale1 P. inquinans2, ambas sul-africanas e introduzidas entre 1710 e 1714 na Inglaterra, onde foram cultivadas e, posteriormente, hibridizadas. 

Este hibrido se apresenta como um pequeno arbusto, ereto, atingindo até 90 cm de altura, de caule suculento, pubescente, ramificado, de filotaxia alterna, com estípulas protegendo a base foliar. Suas folhas são pecioladas, arredondadas, lobadaspeltadas, de base cordada com sobreposição dos lobos basais e margem crenada; são pubescentes em ambas as faces, com textura aveludada, devido à presença de tricomas glandulares. As folhas também são discolores, sendo a face adaxial verde escura e a face abaxial verde-esbranquiçada com nervuras proeminentes um pouco mais claras. As flores estão reunidas no ápice de um eixo que se eleva acima da folhagem, em inflorescências terminais, tipo pseudo-umbela, formando um buque de efeito ornamental muito interessante. A planta exala um forte aroma característico, com exceção das flores, que são suavemente perfumadas. Além do híbrido, existem diferentes cultivares, sendo possível encontrar flores de 5 pétalas, consideradas padrão, e com até 16 pétalas. As cores das flores também são distintas e podem ser rosas, vermelhas, brancas, laranjas, salmão ou roxas. Por se tratar de um híbrido, seu fruto, embora se desenvolva, não produz sementes férteis. Pelargonium x hortorum se desenvolve a partir de sementes denominadas híbridas ou sementes F1, ou seja: obtidas a partir da polinização cruzada das espécies parentais. As plantas provenientes destas sementes só se multiplicam por estacas e assim são comumente comercializadas. 

Pelargonium x hortorum é também conhecido como gerânio-de-jardim, uma planta extremamente popular, facilmente encontrada em vasos solitários, balcões e, principalmente, em jardineiras suspensas enfeitando janelas, sendo apreciada para compor projetos paisagísticos e fachadas que necessitem de um clima romântico, bucólico, delicado e harmonioso. Há um tipo de trova botânica que diz algo parecido com:

"O gerânio das janelas
na verdade, não é Geranium,
quem enfeita as janelas, 
é o belo Pelargonium...".

Isso se deve ao fato da palavra Geranium nomear um gênero da família Geraniaceae, a mesma do Pelargonium.

Essa confusão começou em 1732, quando botânico alemão Johan Jacob Dillen, conhecido como Dillenius, publicou Hortus Elthamensis, uma obra que continha a descrição das espécies vegetais cultivadas nos exuberantes e famosos jardins de Eltham, em Londres. Dentre estas espécies, havia sete espécies de Geranium oriundas da África do Sul que possuíam algumas características diferentes das usualmente aceitas para o táxon3, popularmente chamado de gerânio. Por conta disso, Dillenius sugeriu que um novo gênero chamado Pelargonia poderia ser criado para agrupar estas sete espécies diferentes das demais. Em 1738, o botânico inglês Johannes Burman acatou a sugestão de Dillenius formalizando o nome, mas mudando-o para Pelargonium. Acontece que quando Linnaeus publicou seu Species Plantarum, em 1753, não reconheceu este novo gênero e agrupou estas espécies em Geranium. Somente em 1787 o gênero foi oficialmente reconhecido pelo botânico francês Charles Louis L'Héritier de Brutelle, que transferiu várias espécies do gênero Geranium, então conhecidas como gerânios, para Pelargonium. Era tarde demais: o nome gerânio tinha pegado entre os horticultores europeus e persiste até hoje, em todo o mundo, sendo usado tanto para as espécies naturais como para os híbridos. O nome Geranium vem do grego γερανός (geranós) e significa guindaste, uma alusão à semelhança da forma alongada do fruto com a lança principal de um guindaste4.

Pelargoniux hortorum é ainda uma planta com uma fitoquímica peculiar - tanto o híbrido como os seus cultivares apresentam derivados do ácido salicílico e alcaloides na sua composição. Por ser um híbrido com inúmeros cultivares, não foram encontrados usos na medicina popular, diferindo das outras espécies de Pelargonium, amplamente utilizadas para estes fins. Deve-se ressaltar que o famoso óleo de gerânio, usado pelas indústrias farmacêutica, alimentícia, de perfumaria e de produtos naturais, além de muito popular em terapias alternativas, é proveniente de Pelargonium graveolens5.

O nome do gênero, originalmente concebido como Pelargonia e posteriormente alterado para Pelargonium, provém do grego πελαργός (pelargós) e significa cegonha. O motivo sugerido por Dillenius para o nome é a semelhança da forma do fruto com o bico de uma cegonha (visível na última foto da planta, acima da imagem da exsicata). Seu epíteto específico, hortorum deriva do latim hortus e significa proveniente de jardim, como referência a uma planta cultivada. 

Quem imaginaria que guindastes e bicos de cegonha pudessem ter algo em comum? Quem imaginaria que esse algo em comum fossem tão belas6 flores? Da próxima vez que avistar gerânios na janela, lembre-se: "Os guindastes da janela, na verdade, são bicos de cegonha..."

Autoria: Sandra Zorat Cordeiro

 

NOTAS

 

1 - Pelargonium zonale (L.) L'Hér. ex Aiton, espécie parental de Pelargoniux hortorum 

Pelargonium zonale - HQ

Foto: HQ / Creative Commons BY-SA

 

 2 - Pelargonium inquinans (L.) L'Hér., espécie parental de Pelargoniux hortorum 

 Pelargonium inquinans - Matija Strlic

Foto: Matija Strlic / Creative Commons BY-NC-SA

 

3 - Na verdade, o que difere os pelargônios dos gerânios e dos outros gêneros da família Geraniaceae é a presença de um nectário formado a partir de uma sépala modificada (gerando um hipanto) e flores com simetria zigomorfa (simetria bilateral). 

 

4 - Por mais estranho que pareça o uso da palavra grega geranós (que significa guindaste) em pleno século XVIII pelos contemporâneos de Linnaeus, cabe lembrar que o nome Geranium já tinha sido utilizado na antiga nomenclatura botânica por Dioscórides, no seu De Materia Medica, do século I. Os primeiros guindastes foram inventados pelos gregos ainda na Idade Antiga, sendo movidos por homens ou animais para auxiliar na construção de prédios.

 

5 - Pelargonium graveolens L'Her. Hábito (a) e detalhe da flor (b):

Pelargonium graveolens -  salchuiwt a

Foto: salchuiwt / Creative Commons BY-SA

Pelargonium graveolens -  HQ b

Foto: HQ / Creative Commons BY-SA

 

6 - Para se encantar com os pelargônios, suas formas e suas cores:

 

*** Nossos agradecimentos:

  • à Alice Worcman, do Organicidade, pelas belas fotos do Pelargonium x hortorum.

 

Barra verde - referências bibliográficas

Acta Plantarum - Etimologia dei nomi botanici e micologici. Disponível em: https://www.actaplantarum.org/etimologia/etimologia.php. Acesso: 08 Set. 2020.

Bailey, L.H. The Standard Cyclopedia of Horticulture. v. 5. New York: The Macmillan Company. 1916. 

Dillenius, J.J. Hortus Elthamensis. Londini: Sumptibus auctoris. 1732. p. 398.

Dioscorides, P. De medicinali materia libri sex. Publicado por Ruel, J. Lugduni: Apud Balthazarem Arnolletum,1552.

GBIF - Global Biodiversity Information Facility. Pelargonium x hortorum L.H. Bailey. Disponível em: https://www.gbif.org/species/2891604. Acesso em: 05 Set.2020.

Geraniaceae in Flora do Brasil 2020 em construção. Jardim Botânico do Rio de Janeiro. Disponível em: http://reflora.jbrj.gov.br/reflora/floradobrasil/FB609704. Acesso em: 05 Set. 2020.

Lis-Balchin, M. Geranium and PelargoniumHistory of Nomenclature, Usage and Cultivation. London: CRC Press. 2002.

Missouri Botanical Garden - Plant Finder. Pelargonium x hortorum. Disponível em: http://www.missouribotanicalgarden.org/PlantFinder/PlantFinderDetails.aspx?kempercode=a537. Acesso em: 05 Set. 2020.

The Pelargonium Page. The genus Pelargonium. Disponível em: http://www.pelargonium.si/index.html. Acesso: 09 Set. 2020. 

N°. de acessos: contador gratuito

Menu

Página Inicial

Histórico

Patrono

Acervo

- Coleção Claudia Bove

Serviços

Equipe

Colaboradores

Parcerias

Projetos de Extensão   

- Canto das Flores ONLINE  Novo 3

     Logo Coleção Didática - definitivo

Fale conosco

Divulgação

HUNI na mídia

Eventos

Agradecimentos

 

ACESSO AO ACERVO HUNI

>>> JABOT <<<

     Logo HUNI sem nome 

>>> SPECIES LINK <<<

     Logo HUNI sem nome

Nossas mídias sociais: 

Logo Facebook   Logo Instagram

 

Apoio

Logo FAPERJ

 

 

 

 

Colaboração

              JBRJ

 INCT

SpeciesLink