Ferramentas Pessoais

Você está aqui: Página Inicial / Odontonema tubaeforme (Bertol.) Kuntze

Odontonema tubaeforme (Bertol.) Kuntze

Família: ACANTHACEAE

Nome científico: Odontonema tubaeforme (Bertol.) Kuntze

Nome popular: odontonema

 

Odontonema tubaeforme - Canto das Flores 1

Odontonema tubaeforme - Canto das Flores 2

Fotos: Ricardo Cardoso Antonio

Odontonema tubaeforme - Canto das Flores 3

Odontonema tubaeforme - Canto das Flores 4

Odontonema tubaeforme - Canto das Flores 6

Fotos: Sandra Zorat Cordeiro

Barra exsicata

Para o PDF da etiqueta, clique aqui.

Odontonema tubaeforme - exsicata

Foto: Matheus Gimenez Guasti

Barra verde - características

Odontonema tubaeforme, ou simplesmente, odontonema. Esta espécie, nativa da América Central e norte da América do Sul, cultivada no sul e sudeste asiáticos, Brasil, EUA, África do Sul e Austrália, é um arbusto de aplicação paisagística, facilmente encontrado em jardins e na arborização urbana como cerca-viva. Esta espécie, que pode atingir até 3 m de altura, possui filotaxia oposta-cruzada, com grandes folhas sésseis ou pecioladas, de cor verde brilhante e nervuras bem marcadas, glabrasconcolores, ovaladas e com ápice levemente acuminado. Suas inflorescências são terminais, racemosas, tipo panícula, com flores de corola hipocrateriforme, de cor vermelho rubi, com efeito muito atrativo e ornamental, onde raramente são vistos frutos; quando ocorrem, poucas semente são viáveis. Ocasionalmente, esta espécie é também chamada de coral-de-jardim, pela cor de suas flores, ou de beija-flor, pois suas inflorescências costumam atrair esses pássaros como polinizadores, além de borboletas. Na América do Norte, é chamada de firespike (espiga de fogo) ou scarlet flame (chama escarlate), em alusão às suas chamativas inflorescências.

Tradicionalmente, embora pouco conhecida como medicinal, a odontonema é muito utilizada por populações da sua região de origem (América Central) como anti-inflamatório, bactericida, cicatrizante, hepato-protetor, na indução de parto e no combate à hipertensão. Algumas destas aplicações, embora não comprovadas cientificamente, possuem respaldo farmacológico a partir da análise de extratos desta planta, que evidenciaram a presença de substâncias com ampla atividade terapêutica.

O nome do gêneroOdontonema, provém das palavras gregas odonto, que significa dente, e nema, que significa fio ou filamento, em referência aos seus filetes denteados; seu epíteto específico tubaeforme refere-se às flores, que possuem corolas com formato de tubos ou trombetas. 

Por conta de sua beleza, foi introduzida pelo homem em algumas ilhas do Pacífico Sul, com finalidade ornamental no final da década de 30. Esta espécie, no entanto, demonstrou um comportamento altamente invasivo: comumente associada a cursos de água, propagou-se rapidamente de modo vegetativo e adaptou-se facilmente ao clima da região. Em pouco tempo, suas populações se multiplicaram e infestaram extensas áreas, passando a ocorrer vigorosamente no sub-bosque das florestas úmidas, tanto ao nível do mar como em altitudes montanhosas, ameaçando as floras nativas tropicais de várias ilhas do Pacífico, como Oahu (no Havaí), Taiti (na Polinésia Francesa) e Upolu (em Samoa). Embora nativa da América Central, é também considerada invasora em várias ilhas do Caribe, como Cuba, Porto Rico e República Dominicana. 

Atualmente, a odontonema figura na lista de espécies invasoras de alto risco, principalmente em ilhas, pois estas possuem ecossistemas peculiares, extremamente vulneráveis e populações nativas muitas vezes endêmicas. Por conta disso, intensos esforços vêm sendo realizados no intuito de detectar, controlar e até mesmo erradicar a proliferação da odontonema, mostrando que a introdução de plantas exóticas pode causar consequências imprevisíveis e devastadoras, ainda que a intenção seja apenas enfeitar um jardim...  

Texto: Sandra Zorat Cordeiro

Barra verde - referências bibliográficas

Daniel, T. F. Revision of Odontonema (Acanthaceae) in Mexico. Contributions of University of Michigan Herbarium, v. 20, n. 147-171, 1995.

Harrison, M. Odontonema cuspidatum. FirespikeFlowering Shrubs and Small Trees for the South. Sarasota, Florida: Pineapple Press. Disponível em https://books.google.com.ar/books?id=InfzaeniKyIC&pg=PA124&dq=odontonema+strictum&hl=es&sa=X&ved=0ahUKEwjfi_mY-YbMAhWMhpAKHRSFC6IQ6AEISjAG#v=onepage&q=odontonema%20&f=false

Luhata, P.L.; Munkombwe, N.; Cheuka, P.; Sikanyika, H. Phytochemical and pharmacological profiles of the genus Odontonema (Acanthaceae). British Journal of Pharmaceutical Research, v. 14, n. 1, p. 1-7, 2016.

Meyer, J.Y.; Lavergne, C. Beautés fatales: Acanthaceae species as invasive alien plants on tropical Indo-Pacific Islands. Diversity and Distributions, v. 10, p. 333-347, 2004.

Rizzini, C.T. Acanthaceae. Rodriguésia, v. 32, p. 138-150, 1957

Contador de visitas

 

Menu

Página Inicial

Histórico

Patrono

Acervo

- Coleção Claudia Bove

Serviços

Equipe

Colaboradores

Parcerias

Projetos de Extensão   

- Canto das Flores ONLINE  Novo 3

     Logo Coleção Didática - definitivo

Fale conosco

Divulgação

HUNI na mídia

Eventos

Agradecimentos

Acesso do acervo HUNI

 >>> JABOT <<<

            Logo HUNI sem nome 

>>> SPECIES LINK <<<

           Logo HUNI sem nome

 Apoio

Logo FAPERJ

 

 

 

 

 

Colaboração                           

JBRJ

 

 INCT

SpeciesLink