Ferramentas Pessoais

Você está aqui: Página Inicial / Mirabilis jalapa L.

Mirabilis jalapa L.

Família: NYCTAGYNACEAE

Nome científico: Mirabilis jalapa L.

Nome popular: maravilha

 

Mirabilis - CF 1

Mirabilis - CF 2

Mirabilis - CF 3

Fotos: Ricardo Cardoso Antonio

Mirabilis - CF 4

Mirabilis - CF 5

Mirabilis - CF 6 - flor mesclada

Fotos: Sandra Zorat Cordeiro

Barra exsicata

Para o PDF da etiqueta, clique aqui.

Mirabilis jalapa - Exsicata

Foto: Matheus Gimenez Guasti

Barra verde - características

Nativa das regiões tropicais do continente americano, a Mirabilis jalapa caracteriza-se por ser um subarbusto, atingindo pouco menos de um metro de altura, com raízes tuberosas, que justificam um de seus muitos nomes e usos populares: batata-de-purga. Seu caule é ereto, com intensa ramificação; tem folhas simples, com filotaxia oposta, possuindo nervuras um pouco mais claras na face adaxial. Conhecida popularmente também como maravilha ou bela-da-noite, esta planta faz jus aos adjetivos: sua intensa floração apresenta inflorescências terminais cimosas, com flores hipocrateriformes, nas cores branco, vermelho, amarelo, rosa e laranja. As flores podem apresentar ainda cores diferentes em um mesmo indivíduo, e diferentes cores podem ocorrer em uma mesma flor, proporcionando um espetáculo único de coloridas combinações, o que justifica sua utilização ornamental em todos os continentes. Suas flores se abrem, costumeiramente, ao final da tarde e por isso também são conhecidas como flor das 4 horas. Elas se mantém abertas durante toda a noite ou até o início da manhã, em dias nublados, fechando-se com a incidência de raios solares. Na antese, atraem mariposas com sua suave fragrância.

Além da sua utilização ornamental, a Mirabilis jalapa possui inúmeras aplicações na Ayurveda e na medicina popular. Embora suas raízes tuberosas sejam consideradas venenosas, são usadas de muitas maneiras e com os mais diversos fins: são submetidas a decocção com finalidade laxante e emética, maceradas com uso tópico no tratamento de contusões musculares, ou mantidas em contato com a pele de gestantes para ajudar no trabalho de parto. Suas folhas maceradas também são utilizadas no tratamento de problemas de pele. Possui ainda aplicações antiinflamatórias, antisépticas e anticonvulsivas.

O nome do gênero, Mirabilis, é originário do latim, e significa surpreendente, admirável, espantoso, singular. Embora alguns autores indiquem que seu epíteto específico, jalapa, seja uma referência à cidade Jalapa, na Guatemala, há também consistentes referências à Xalapa, capital do estado de Veracruz, no México, onde há uma planta com tubérculos semelhantes aos da maravilha, de efeito purgativo e muito usada na medicina tradicional local. 

Mirabilis jalapa já era cultivada pelos povos astecas devido às suas propriedades medicinais, às suas vistosas e coloridas flores e à sua agradável fragrância, bem antes da invasão dos colonizadores espanhóis no século XVI. Sua beleza e perfume agradaram tanto que já podiam ser encontradas na Inglaterra apenas 75 anos depois da chegada espanhola à América. Sua aceitação foi tão grande que passou a ser cultivada e comercializada em todo o mundo, mas sua rápida reprodução e fácil dispersão tornaram-na daninha em áreas agrícolas e invasora em áreas de Mata Atlântica, aqui no Brasil.

Ainda hoje, a maravilha pode ser encontrada nas cidades e vilas mexicanas estabelecidas pelos espanhóis no período colonial. Mas ela também resiste, florescendo admiravelmente bela, perfumada e silenciosa em áreas que faziam parte da região ocupada pelo extinto Império Asteca e nas ruínas de suas construções: uma lembrança da América livre, onde a Mirabilis jalapa era apenas a flor tlalquilín, seu nome no idioma Nahuatl, falado pelo dizimado povo asteca.

Autoria: Sandra Zorat Cordeiro

 Barra verde - referências bibliográficas

CABI - Invasive Species Compendium. Mirabilis jalapa (four o'clock flower). Disponível em https://www.cabi.org/isc/datasheet/34254#8d1da14b-8370-47e4-8fe1-d7311d0e6855. Acesso em 05 Fev. 2020.

Harrison, L. (2012) Latim para jardinistas: mais de 3000 plantas explicadas e detalhadas. São Paulo: ed. Europa. 

Le Duc, A. (1995) A revision of Mirabilis Section Mirabilis (Nyctaginaceae). Sida, Contributions to Botany, v. 16, n. 4, p. 613-648.

Lorenzi, H. (2015) Plantas para jardim no Brasil – herbáceas, arbustivas e trepadeiras. 2ª. ed., São Paulo: Instituto Plantarum de Estudos da Flora.

Mirabilis in Flora do Brasil 2020 em construção. Jardim Botânico do Rio de Janeiro. Disponível em: <http://reflora.jbrj.gov.br/reflora/floradobrasil/FB10920>. Acesso em: 05 Fev. 2020. 

Moreira, H.J.C.; Bragança, H.B.N. (2011) Manual de identificação de plantas infestantes - Hortifrúti. São Paulo: FMC Agricultural Products.

Quattrocchi, U. (2012) CRC World Dictionary of Medicinal and Poisonous Plants: Common Names, Scientific Names, Eponyms, Synonyms, and Etymology. Reimpressão. Boca Raton: CRC Press. 2012.

Trinidad, F.C.; Alba, M.R.; Vergara, D.C.C. (2010). Uso medicinal de la planta maravilla (Mirabilis jalapa L.). Disponível em https://nanopdf.com/download/uso-medicinal-de-la-planta-maravilla-mirabilis-jalapa-l_pdf. Acesso em 05 Fev. 2020.

contador
Menu

Página Inicial

Histórico

Patrono

Acervo

- Coleção Claudia Bove

Serviços

Equipe

Colaboradores

Parcerias

Projetos de Extensão   

- Canto das Flores ONLINE  Novo 3

     Logo Coleção Didática - definitivo

Fale conosco

Divulgação

HUNI na mídia

Eventos

Agradecimentos

 

ACESSO AO ACERVO HUNI

>>> JABOT <<<

     Logo HUNI sem nome 

>>> SPECIES LINK <<<

     Logo HUNI sem nome

Nossas mídias sociais: 

Logo Facebook   Logo Instagram

 

Apoio

Logo FAPERJ

 

 

 

 

Colaboração

              JBRJ

 INCT

SpeciesLink