Ferramentas Pessoais

Você está aqui: Página Inicial / Iris domestica (L.) Goldblatt & Mabb.

Iris domestica (L.) Goldblatt & Mabb.

Família: IRIDACEAE

Nome científico: Iris domestica (L.) Goldblatt & Mabb.

Nome popular: flor-leopardo

 

Iris domestica - Canto das Flores 2

Iris domestica - Canto das Flores 1

Iris domestica - Canto das Flores 3

Iris domestica - Canto das Flores 6

Iris domestica - Canto das Flores 5

Fotos: Ricardo Cardoso Antonio

Barra exsicata

Para o PDF da etiqueta, clique aqui.

Iris domestica - Exsicata

Foto: Matheus Gimenez Guasti

Barra verde - características

Iris domestica é uma espécie ornamental, originária da Ásia, encontrada na China, Japão, Coréia, Laos, regiões da Rússia e Himalaia. Cultivada hoje em todo o mundo, sua distribuição atual contempla vastas regiões tropicais na América do Norte e Sul, leste asiático e Austrália. No Brasil, possui o status de naturalizada, sendo encontrada principalmente nas regiões sul e sudeste.

Esta espécie se apresenta como uma erva ereta e rizomatosa, com até 1 m de altura. Suas folhas são achatadas lateralmente, ensiformes, de cor verde-azulada e aspecto ceroso, dispondo-se como um leque, com belo efeito paisagístico. Suas flores encontram-se em inflorescências tipo panícula, dispostas acima do nível das folhas; possuem seis tépalas de cor laranja com máculas pequenas e irregulares de cor vermelho escura, o que lhes confere o conhecido nome popular: flor-leopardo. Seus frutos são secos e deiscentes, tipo cápsula, com esféricas sementes de cor preta. 

Iris domestica possui alta adaptação ao clima tropical, desenvolvendo-se mesmo em temperaturas mais baixas. É facilmente encontrada em jardins e canteiros pelo seu grande apelo ornamental, tanto pelas folhas verde-azuladas em forma de leque, como pela beleza de suas flores, que ocorrem durante o ano inteiro. É também cultivada e comercializada na Índia, China e Japão para uso medicinal: o extrato aquoso de seus rizomas é recomendado contra doenças respiratórias, como tosse, bronquite, asma e dores de garganta, com eficiente ação expectorante; possui ainda ação antiofídica, antifúngica, ant-iinflamatória e bactericida.

Antes de receber o nome de Iris domestica, há cerca de 15 anos, esta espécie já tinha recebido outros nomes: seu primeiro nome foi Epidendrum domesticum, nome dado por Linnaeus em 1753 no seu livro Species Plantarum. Foi inicialmente classificada como uma orquídea e recebeu o nome de Epidendrum, assim como todas orquídeas naquela época; o nome vem do grego (epi - sobre e dendron - árvore), ressaltando o fato de grande parte das orquídeas serem epífitasO epíteto específico domesticum indica que, já nesta época, a espécie era cultivada, tanto com fins ornamentais como medicinais.

Mas a flor-leopardo não era uma orquídea... Devido a dificuldades com sua taxonomia, e dentre vários nomes recebidos, os taxonomistas criaram então o gênero Belamcanda para apenas esta espécie, que passou a ser denominada Belamcanda chinensis; esse nome se tornou o mais aceito e ainda usado por muitas pessoas e publicações. O nome Belamcanda vem do sânscrito (balam - força e canda - tubérculo), uma referência às poderosas propriedades medicinais de seu rizoma; chinensis indica sua origem chinesa. Em 2005, verificou-se que o gênero Belamcanda não se sustentava com base em análises moleculares e então esta espécie foi incorporada ao gênero Iris, que batiza também o nome da família: Iridaceae. O epíteto específico, por regra de nomeclatura botânica, acabou sendo o domestica, forma feminina do epiteto original, domesticum.

O nome do gênero foi uma homenagem de Linnaeus à deusa grega Íris, que trazia mensagens do Olimpo aos mortais, mas que foi substituída, ao longo do tempo, por Mercúrio (ou Hermes) na mitologia greco-romana. Na sua tarefa de mensageira entre o céu e a terra, Íris era sempre discreta e aparecia quando menos se esperava; nessa travessia, personificava o "arco de Íris", formando um rastro colorido no céu e, ao tocar na terra, transformava essas cores em flores... flores de Íris. As idas e vindas taxonômicas desta espécie acabaram por colocá-la num gênero que faz jus ao nome. A beleza das flores e seu colorido impressionante podem explicar o porquê de Linnaeus tê-las associado à bela imagem da mitológica Íris e seu arco colorido... 

Para conhecer outras espécies do gênero Iris, clique aqui.

Autoria: Sandra Zorat Cordeiro

Barra verde - referências bibliográficas

CABI - Invasive Species Compendium. Iris domestica - Blackberry lily. Disponível em https://www.cabi.org/isc/datasheet/62815878#tosummaryOfInvasiveness. Acesso em: 14 Nov. 2019.

Eggers, L. Iris in Flora do Brasil 2020 em construção. Jardim Botânico do Rio de Janeiro.Disponível em: <http://reflora.jbrj.gov.br/reflora/floradobrasil/FB132749>. Acesso em: 21 Nov. 2019.

Goldblatt, P. & Mabberley, D.J. Belamcanda included in Iris, and the new combination I. domestica (Iridaceae: Irideae). Novon, 15: 128-132, 2005.

Lorenzi, H. (2015) Plantas para jardim no Brasil – herbáceas, arbustivas e trepadeiras. 2ª. ed., São Paulo: Instituto Plantarum de Estudos da Flora.

Quattrocchi, U. (2012) CRC World Dictionary of Medicinal and Poisonous Plants: Common Names, Scientific Names, Eponyms, Synonyms, and Etymology. Reimpressão. Boca Raton: CRC Press. 2012.

 

contador
Menu

Página Inicial

Histórico

Patrono

Acervo

- Coleção Claudia Bove

Serviços

Equipe

Colaboradores

Parcerias

Projetos de Extensão   

- Canto das Flores ONLINE  Novo 3

     Logo Coleção Didática - definitivo

Fale conosco

Divulgação

HUNI na mídia

Eventos

Agradecimentos

 

ACESSO AO ACERVO HUNI

>>> JABOT <<<

     Logo HUNI sem nome 

>>> SPECIES LINK <<<

     Logo HUNI sem nome

Nossas mídias sociais: 

Logo Facebook   Logo Instagram

 

Apoio

Logo FAPERJ

 

 

 

 

Colaboração

              JBRJ

 INCT

SpeciesLink