Ferramentas Pessoais

Você está aqui: Página Inicial / Ipomoea batatas (L.) Lam.

Ipomoea batatas (L.) Lam.

Família: CONVOLVULACEAE

Nome científico: Ipomoea batatas (L.) Lam.

Nome popular: batata-doce

 

Ipomoea batatas - Organicidade - Canto das Flores 1

Foto: Alice Worcman - Organicidade

Ipomoea batatas - Organicidade - Canto das Flores 2

Ipomoea batatas - Organicidade - Canto das Flores 3

Ipomoea batatas - Organicidade - Canto das Flores 4

Ipomoea batatas - Organicidade - Canto das Flores 5

Ipomoea batatas - Organicidade - Canto das Flores 6

Foto: Alice Worcman - Organicidade

Ipomoea batatas - Organicidade - Canto das Flores 8

Foto: Alice Worcman - Organicidade

Ipomoea batatas - Organicidade - Canto das Flores 9

Foto: Alice Worcman - Organidade

Ipomoea batatas - Organicidade - Canto das Flores 10

Foto: Alice Worcman - Organicidade 

Ipomoea batatas - Organicidade - Canto das Flores 11

Foto: Alice Worcman - Organicidade

Ipomoea batatas - Organicidade - Canto das Flores 7

Todas as fotos: Alice Worcman - Organicidade

Barra exsicata

Para o PDF da etiqueta, clique aqui.

Ipomoea batatas - Exsicata

Foto: Matheus Gimenez Guasti

Barra verde - características

Nativa da América Tropical, ocorrendo naturalmente entre a Península de Yucatán, no México, até a Colômbia, Ipomoea batatas, a popular e deliciosa batata-doce, possui registros arqueológicos indicando que seu uso remonta há mais de 10 mil anos. Cultivada há pelo menos 2 mil anos pelos povos meso-americanos, por conta de suas raízes tuberosas denominadas batatas - de polpa alaranjada que serviam como alimento - foi levada à Europa por Colombo, tornando-se uma das hortaliças mais populares e comercializadas no mundo. Atualmente, além de alimentar convencional, é considerada PANC - por conta de suas folhas nutritivas e saborosas, ornamental - por causa da bela folhagem e das coloridas e vistosas flores, e medicinal. 

A batata-doce se apresenta como uma erva decumbente, de caule herbáceo, verde ou arroxeado, prostradoenraizando nos nós, bastante ramificado, com hastes entrelaçadas, levemente pubescentes. As raízes são tuberosas, bastante entumescidas e de sabor adocicado, de cor rosa ou arroxeada, com o interior alaranjado, podendo apresentar outras cores e também formas diversas (alongada, fusiforme ou redonda) conforme a variedade. Possui filotaxia alterna, com folhas truladas, lobadas, membranáceas, de ápice acuminado. As inflorescências são axilares, tipo cimeira, com flores gamopétalas, campanuladas, infundibuliformes, de cor rósea a branco-arroxeada, com fundo da corola mais escuro. Fruto tipo cápsula, pouco frequente, com sementes marrons. 

Considerada a segunda raiz mais consumida no mundo, a batata-doce fica atrás apenas da mandioca (Manihot esculenta - Euphorbiaceae). Muito utilizada na alimentação humana, é cultivada, principalmente, por pequenos produtores em culturas de subsistência e para autoconsumo devido à facilidade do cultivo, à resistência a pragas e pelo rápido desenvolvimento mesmo em solos pobres em nutrientes. Suas raízes tuberosas apresentam cerca de 30% de matéria seca, com cerca de 85% de carboidratos onde o amido é o componente principal; isso faz da batata-doce um alimento altamente energético. Possui ainda fibras, vitaminas A, B, C, fósforo, magnésio, potássio, ferro e cálcio na sua composição. Nos últimos anos, ganhou destaque entre os praticantes de atividade física, tornando-se uma espécie de elixir da boa forma, já que é um alimento muito procurado pelo seu baixo índice glicêmico, ou seja: fornece energia de modo equilibrado, sem aumentar os picos de insulina no sangue; não é à toa que a batata-doce era usada como alimento por índios mexicanos antes de longas caminhadas... A batata-doce é consumida geralmente cozida, sendo saboreada com ou sem temperos, ou utilizada no preparo de tortas e bolos doces ou salgados, purês e doces glaceados (como o marrom-glacê). Pode também ser consumida frita, como petisco, semelhante à batata-inglesa. Na indústria, é transformada em fécula para o preparo de doces em pasta ou cristalizado e utilizada na fabricação de ração para animais. É ainda considerada uma potencial matéria-prima para a produção de etanol e de cerveja artesanal.

O que pouca gente sabe, no entanto, é que da batata-doce não se come apenas as raízes tuberosas. Suas folhas e brotos também são comestíveis e muito nutritivos, além disso são digestivos e possuem propriedades anti-oxidantes. Com tantos predicados, é claro que ela é uma PANC. Após o cozimento obrigatório, pois não devem ser consumidos crus, possuem um sabor delicioso, sendo usados como recheio para tortas e bolos salgados, refogados, omeletes, empanados ou, até mesmo, como acompanhamento. 

Na medicina popular, a batata-doce também tem inúmeras aplicações etno-farmacológicas. Suas folhas e raízes são utilizadas para o preparo de chás e apresentam alto potencial anti-inflamatório, recomendados em casos de inchaços, no combate à ansiedade, na promoção da lactação e no fortalecimento do sistema imunológico. Além disso, a medicina tradicional indica as folhas da batata-doce para tratamento de dores de dente, inflamações bucais, redução do colesterol, diabetes e gonorreia. Vários estudos científicos comprovaram que as folhas possuem substâncias com propriedades antioxidantes, adstringentes, bactericidas, fungicidas, antiproliferativa, antidiabética, anti-anêmica, antimutagênica e imunomoduladora.

batata-doce ainda possui destaque em manifestações religiosas e etno-culturais. No Candomblé, a batata-doce é um alimento utilizado como oferenda a Oxumaré, o orixá responsável pelos dias e os anos, simbolizando a continuidade e a permanência. Para os Krahô, um dos povos Timbira, indígenas habitantes do Cerrado com terras no nordeste do Tocantins, a batata-doce é Jàt, um alimento importante principalmente durante os "resguardos" - períodos onde ocorrem ritos de passagem (matrimônio, gestação, nascimento ou funeral), quando outros alimentos são proibidos. Para eles, a batata-doce é uma espécie vegetal companheira, que chega a ser personificada, cultivada como se fosse um parente. Desde o plantio até a colheita, o cultivo da batata-doce é permeado por rituais fundamentados nas relações de parentesco entre os membros da tribo, criando-se uma associação simbólica entre os índios e o vegetal cultivado, chamada de aparentamento. O respeito e o engajamento à esta conexão entre humano e vegetal são os principais atributos de uma boa colheita. 

O nome do gênero, Ipomoea, origina-se das palavras gregas ῐψ (ips), uma espécie de verme da videira, e ὅμοιος (hómoios) que significa semelhante, de modo que o nome significa algo semelhante a um verme, devido ao curso inconstante de seus caules, por serem prostrados. Seu epíteto específico, batatas, é o nome pelo qual os nativos a chamavam em taíno, idioma original das Bahamas e Antilhas.

Com o uso que remonta há mais de mais de 10 mil anos e cultivada há mais de 2 mil, tendo seu cultivo intensificado devido à busca por uma alimentação saudável e alternativa, a batata-doce ainda é ornamental e medicinal... Com tantos predicados, esta espécie, com certeza, já faz parte da família...

 

Autoria: Sandra Zorat Cordeiro

 

** Nossos agradecimentos:

  • à Alice Worcman, do Organicidade, pelas belas fotos da Ipomoea batatas.

 

Barra verde - referências bibliográficas

Acta Plantarum. Etimologia de nomes botânicos e micológicos e acentuação correta. Disponível em: https://www.actaplantarum.org/etimologia/etimologia.php. Acesso em: 02 Out. 2020.

Felger, R.; Austin, D.; van Devender, T.; Sánchez-Escalante, J.; Costea, M. Convolvulaceae of Sonora, Mexico. I. Convolvulus, Cressa, Dichondra, Evolvulus, Ipomoea, Jacquemontia, Merremia and Operculina. Journal of the Botanical Research Institute of Texas, v. 6, n. 2, p. 457–525, 2012 

Ferreira, P.P.A. Miotto, S.T.S. Sinopse das espécies de Ipomoea L. (Convolvulaceae) ocorrentes no Rio Grande do Sul, Brasil. Revista Brasileira de Biociências, v. 7, n. 4, p. 440-453, 2009

GBIF - Global Biodiversity Information Facility. Ipomoea batatas (L.) Lam. Disponível em: https://www.gbif.org/species/2928551. Acesso: 28 Set. 2020.

Kinupp, V.F.; Lorenzi, H. Plantas Alimentícias Não Convencionais (PANC) no Brasil. 1ª.ed. São Paulo, SP: Instituto Plantarum, 2014.

Landau, E.C.; Valadares, G.M.; Silva, G.A. Evolução da produção de batata-doce (Ipomoea batatas, Convolvulaceae). IN: Landau, E.C.; Silva, G.A.; Moura, L.; Hirsch, A.; Guimarães, D.P. (Ed.). Dinâmica da produção agropecuária e da paisagem natural no Brasil nas últimas décadas: produtos de origem vegetal. Brasília, DF: Embrapa, 2020. v. 2, cap. 15, p. 437-461.

Morim-de-Lima, A.G. A cultura da batata-doce: cultivo, parentesco e ritual entre os Krahô. Mana, v. 23, n. 2, p. 455-490, 2017.

Lorenzi, H.; Matos, F.J.A. Plantas Medicinais no Brasil: nativas e exóticas. 1ª.ed. Nova Odessa, SP: Instituto Plantarum, 2002.

Mato no prato. Batata-doce. Disponível em: https://matonoprato.com.br/2019/10/17/batata-doce/. Acesso em: 30 Set. 2020.

Missouri Botanical Garden. Plant Finder - Ipomoea batatas. Disponível em: https://www.missouribotanicalgarden.org/PlantFinder/PlantFinderDetails.aspx?taxonid=279305&isprofile=1&basic=ipomoea%20batatas. Acesso: 28 Set. 2020.

Nascimento-Júnior, W.; Nascimento, W.L.; Costa, D.A.F.; Pereira-Júnior, J.L.; Freitas, M.S.; Pereira, C.R.L.; Pereira-Filho, J.L.; Pereira, A.H.L.; Gerônimo-Neto, P.S.; Bastos, K.Z.C.; Silva, T.M.L.L.; Pereira, A.B.A. Propriedades medicinais das folhas da batata-doce (Ipomoea batatas (L.) Lam.) In: Araujo, C.E.P.; Tescarollo, I.L.; Antônio, M.A. (orgs.) Farmácia clínica e atenção farmacêutica 2. Ponta Grossa, PR: Atena, 2020. cap. 5, p.60-67

Quattrocchi, U. CRC World Dictionary of Medicinal and Poisonous Plants: Common Names, Scientific Names, Eponyms, Synonyms, and Etymology. Reimpressão. Boca Raton: CRC Press. 2012.

Rádio Brasil de Fato. Podcast - Batata-doce: típica latino-americana e rica em carboidratos. Disponível em: https://www.brasildefato.com.br/2018/11/26/batata-doce-tipica-latinoamericana-e-rica-em-carboidratos. Acesso em: 28 Set. 2020.

Ranieri, G.R. Matos de comer - Batatas doces coloridas e suas folhas. Disponível em: http://www.matosdecomer.com.br/2016/02/batatas-doces-coloridas-e-suas-folhas.html. Acesso em: 30 Set. 2020.

Ranieri, G.R. Matos de comer - Plantas econômicas: Guia da horta para o racionamento. Disponível em: http://www.matosdecomer.com.br/2015/01/plantas-economicas-guia-da-horta-para-o.html. Acesso em: 30 Set. 2020.

Ranieri, G.R. Matos de comer - Vegetarianos e as plantas alimentícias não convencionais. Disponível em: http://www.matosdecomer.com.br/2015/11/vegetarianos-e-as-plantas-alimenticias.html. Acesso em: 30 Set. 2020.

Silva, J.B.C.; Lopes, C.A.; Magalhães, J.S. EMBRAPA - Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. Batata-doce (Ipomoea batatas).  Disponível em: https://sistemasdeproducao.cnptia.embrapa.br/FontesHTML/Batata-doce/Batata-doce_Ipomoea_batatas/apresentacao.html. Acesso: 28 Set. 2020. 

UFSC - Universidade Federal de Santa Catarina. Horto Didático de Plantas Medicinais do HU/CCS. Ipomoea batatas (L.) Lam - Convolvulaceae. Disponível em: https://hortodidatico.ufsc.br/batata-doce/. Acesso em: 28 Set. 2020.

N°. de acessos:  contador gratuito
Menu

Página Inicial

Histórico

Patrono  Símbolo verde claro

 

Acervo

- Coleção Claudia Bove

Serviços

Equipe

Colaboradores

Parcerias

Projetos de Extensão   

- Canto das Flores ONLINE  

     Logo Coleção Didática - definitivo

Fale conosco

Divulgação

HUNI na mídia

Eventos

Agradecimentos

 

ACESSO AO ACERVO HUNI

>>> JABOT <<<

     Logo HUNI sem nome 

>>> SPECIES LINK <<<

     Logo HUNI sem nome

Nossas mídias sociais: 

Logo Facebook   Logo Instagram

 

Apoio

Logo FAPERJ

 

 

 

 

Colaboração

              JBRJ

 INCT

SpeciesLink