Ferramentas Pessoais

Você está aqui: Página Inicial / Glossário

Glossário

Glossário com termos botânicos em definições simples, que possibilitam ao leitor o entendimento das descrições e características das espécies vegetais do Canto das Flores.

Glossário - letra A

Abaxial: usualmente, a face inferior da folha.

Acaule: planta com caule extremamente curto, fazendo parecer que as folhas surgem diretamente sobre as raízes, formando uma roseta.

Acicular: em formato semelhante ao de uma agulha.

Acúleo: prolongamento pontiagudo da superfície epidérmica de um vegetal, sem vascularização, semelhante a um espinho mas que, diferentemente destes, se soltam com facilidade.

Acuminado: ápice foliar que sobre abrupto afilamento, formando uma espécie de ponta.

Adaxial: usualmente, a face superior da folha.

Adnato: nascido junto, unido.

Adubo verde: prática realizada em sistemas agrícolas, onde plantas vivas são mantidas junto às culturas de interesse, pois possuem a capacidade de melhorar as condições físicas, químicas e/ou biológicas do solo.

Agudobase ou ápice foliar que apresenta um ângulo menor que 90° entre suas margens.

Alelopatia: impacto positivo (estímulo) ou negativo (inibição) provocado por substâncias químicas produzidas por determinada planta sobre as plantas vizinhas.

Alterna (filotaxia): uma folha apenas é produzida em cada nó, geralmente em lados alternados.

Antera: Local onde são produzidos e armazenados os grãos de pólen, responsáveis pela fecundação dos óvulos das flores. O formato, a estrutura e a abertura para liberação do grão de pólen são apenas alguns dos muitos caracteres taxonômicos relativos às anteras.

Antese: momento de abertura dos botões florais.

Aquênio: tipo de fruto seco e indeiscente.

Aréolas: estrutura presente na região nodal dos cactos, onde deveria haver uma folha; refere-se a um conjunto de meristemas e ramos encurtados, com espinhos (folhas modificadas) ou flores.

Arilo: estrutura que se desenvolve ao redor das sementes.

Associação simbiótica: relação ecológica entre indivíduos de espécies diferentes, onde ambas se beneficiam da associação.

Axilar: localizado na junção entre o caule e a folha.

Glossário - letra B

Bactérias fixadoras: bactérias que possuem a capacidade de incorporar o nitrogênio atmosférico (N2) em moléculas que podem ser absorvidas por outros organismos.

Baga: tipo de fruto com pericarpo carnoso, com grande número de sementes. 

Bainha: base foliar que adquire uma estrutura laminar e envolve o caule, protegendo assim a gema axilar ou floral.

Bilabiada (o mesmo que labiada): corola gamopétala que possui a parte apical livre, dividida em dois lobos (como dois lábios).

Bráctea: folha modificada. 

Bractéola: pequena bráctea que ornamenta uma unidade floral.

Bulbilhos: pequeno bulbo, geralmente produzido nos órgãos aéreos de uma planta e que promove a sua reprodução vegetativa, ou seja, quando cai ao chão, desenvolve-se em uma nova planta.

Bulbo: tipo de caule subterrâneo, extremamente comprimido, com ápice protegido por folhas modificadas que, geralmente, armazenam reservas.

Glossário - letra C escuro

Cálice: conjunto de sépalas de uma flor, que usualmente protegem a flor, quando em botão.

Calículo (ou epicálice): conjunto de brácteas que circundam externamente o cálice, na sua base, dando a impressão que a flor possui dois cálices.

Campanulado: cálice ou corola em formato de sino, com base abruptamente alargada, com lacínios divergentes.

Capituliformes: com aspecto semelhante à inflorescência tipo capítulo.

Capítulo: inflorescência com flores densamente dispostas, podendo apresentar dois tipos de flores, do disco, no centro do capítulo, e do raio, na borda, sendo estas últimas ornadas com corola expandida. Um exemplo de capítulo é a inflorescência do girassol.

Cápsula: tipo de fruto que se torna seco quando maduro, abrindo-se naturalmente para liberar suas sementes.

Carnoso: órgão vegetal com estrutura macia e suculenta.

Cerosa: que possui cera.

Cespitoso: tipo de planta que cresce formando tufos ou touceiras.

Cimeira (inflorescência): inflorescência cujo eixo principal, que é o prolongamento do pedúnculo, terminando com uma flor, podendo haver outras flores em eixos secundários, que são ramificações do eixo principal.

Cimosa: tipo de inflorescência onde o eixo principal produz pedicelos com uma flor, com flores que se abrem de cima para baixo ou do centro para fora.

Cíncino: tipo de inflorescência onde cada flor é terminal e possui na sua base um pedicelo com uma nova flor terminal, na direção contrária da primeira, e assim sucessivamente.

Cinorródio: pseudofruto originário do desenvolvimento do hipanto, encontrado entre espécies de Rosaceae, onde os frutos verdadeiros são do tipo aquênio e encontram-se em seu interior. 

Cladódio: tipo de caule fotossintetizante, com tecidos de reserva de água, característico de plantas sem folhas e suculentas, comumente encontradas em clima árido. Os espinhos, frequentemente encontrados neste tipo de caule, são folhas modificadas, para que se evite a perda de água para o ambiente. Cladódios achatados, com aspecto semelhante ao de uma folha, são denominados filocládios.

Composta (folha): que possui o limbo dividido em folíolos independentes 

Concolor: com mesma cor nas faces abaxial e adaxial.

Cordada: tipo de base foliar em forma de coração, com lobos proeminentes em cada um dos lados da inserção do pecíolo. 

Cordiforme: em forma de coração, com ápice pontiagudo e base larga, reentrante, com lobos arredondados.

Coriácea: tipo de folha que apresenta certa rigidez e aspecto seco, semelhante ao couro, podendo ser quebradiça.

Corimbo: inflorescência semelhante ao racemo, mas as flores têm pecíolos de tamanhos diferentes: as proximais têm pecíolos mais longos e as distais têm pecíolos mais curtos, de modo que todas alcançam um mesmo nível quando desabrocham. 

Corola: conjunto de pétalas de uma flor.

Flor 

Fonte: Modificado de FreePik (Fundo vetor criado por brgfx)

Corola ligulada: frequentemente confundida com pétalas, devido à sua textura e semelhança, a corola ligulada é formada por cada uma das estruturas em forma de colher (ou lingueta) presentes nas flores marginais dos capítulos de Asteraceae; apresenta, comumente, cores vibrantes, para atrair polinizadores.

Crenada: tipo de margem que apresenta pequenos lobos obtusos e arredondados.

Cultígeno: espécie domesticada ao longo do tempo, cuja origem é desconhecida por não se ter registro de ocorrência de seu ancestral silvestre.

Cultivar: planta cultivada, gerada por ação humana, onde características naturais foram alteradas por cruzamentos e, após a alteração, se mantiveram estáveis nas gerações seguintes; essas plantas, comumente, são chamadas de plantas “melhoradas”, considerando-se a “melhora” uma característica essencialmente interessante do ponto de vista comercial.

Glossário - letra D

Daninha: planta que cresce onde não é desejada, não necessariamente exótica.

Decídua: planta que perde suas folhas em determinada estação do ano.

Decocção: ato de ferver plantas ou suas determinadas partes, em um líquido, geralmente água, no intuito de extrair seus princípios ativos (substâncias biologicamente ativas) com finalidade, comumente, terapêutica.

Decumbente: planta que apresenta seu caule deitado sobre o substrato, mantendo apenas seu ápice erguido.

Deiscência: abertura natural de órgãos vegetais para liberação de seu conteúdo (sementes, no caso de frutos)

Deiscente: estrutura (no caso, fruto) que se abre naturalmente quando maduro, liberando as sementes em seu interior.

Deltoide: folha de formato triangular, onde o pecíolo se conecta ao meio da base do triângulo e o ápice é um dos vértices.

Denteada: tipo de margem foliar, onde pequenas projeções triangulares partem perpendicularmente à margem.

Dextrorso: caule volúvel que se move no sentido horário.

Dialipétala: com pétalas livres entre si.

Dialissépala: com sépalas livres entre si.

Dicotômica: estrutura que se divide em dois, com ramificações bifurcadas e divergentes. 

Discolores: com cores distintas entre as faces superior e inferior.

Dispersão: mecanismo ou estratégia usados pelas plantas para colonizarem outros locais, seja através de sementes, frutos, planta inteira ou parte dela. 

Dossel: estrato superior das áreas florestais, formado pelas copas das árvores e organismos associados (como epífitas e lianas).

Drupoide: fruto que possui pirênios, que é uma semente envolta em estrutura (endocarpo) coriáceo. Frutos com apenas um pirênio são denominados drupas, com mais de um, drupoides.

Glossário - letra E escura

Elaióforo: estrutura que secreta e/ou acumula óleos (glândula secretora de óleos).

Elíptica: em formato de elipse.

Endêmica: espécie com ocorrência restrita a certa região geográfica, não sendo encontrada em nenhum outro local.

Ensiforme: tipo de folha em forma de espada, também chamada de unifacial, pois é achatada lateralmente logo acima da bainha, sem apresentar faces abaxial ou adaxial.

Entrenó: porção de caule entre dois nós (local de inserção foliar) sucessivos.

Epicálice (ou calículo): conjunto de brácteas que circundam externamente o cálice, na sua base, dando a impressão que a flor possui dois cálices.

Epífila (flor): quando aparenta estar sobre as folhas ou na sua superfície.

Epífita: planta que cresce sobre outra planta, sem parasitá-la ou prejudicá-la. Plantas epífitas não são parasitas, apenas usam a outra planta como apoio ou suporte.  

Epíteto coletivoconstitui o segundo nome na nomenclatura binomial de híbridos interespecíficos, sempre com letras minúsculas, em latim. Em híbridos interespecíficos, um sinal de multiplicação (x) deve ser inserido entre o nome do gênero e o epíteto coletivo (ex: Clerodendrum x speciosum, híbrido interespecífico entre Clerodendrum splendens e Clerodendrum thomsoniae).

Epíteto específico: constitui o segundo nome na nomenclatura binomial, sempre com letras minúsculas, especificando a unidade dentro do gênero. A combinação do gênero mais o epíteto dá o nome científico de uma espécie, sempre em latim. Costuma ser um adjetivo, relacionado à alguma característica da espécie (ex.: Ludwigia longifolia, referência à folha alongada), mas também podem ser encontradas referências à localidade de ocorrência (ex.: Eugenia copacabanensis, referência à extinta restinga de Copacabana), à alguma pessoa, como homenagem (ex.: Ficus carautana, homenagem ao Prof. Carauta, patrono do HUNI), ou em referência ao nome popular (ex.: Ipomoea batatas, nome científico da batata-doce).

Equinocarpo: fruto de qualquer tipo que possui revestimento externo coberto por acúleos, conferindo a ele, um aspecto espinhoso.

Escamiforme: de formato semelhante ao de uma escama.

Escandente: caule delgado que se utiliza de superfícies de suporte como apoio, muitas vezes crescendo em direção da luz.

Escapo: haste ou pedúnculo que se origina a partir de bulbos, rizomas ou tubérculos, levando flores ou inflorescências acima das folhas. Muito comum em plantas acaules. 

Escutelo: em forma de escudo.

Espádice: tipo de inflorescência com o eixo primário carnoso, protegida por uma bráctea, a espata.

Espata: bráctea única, grande e vistosa, que circunda o espádice.

Espiga: inflorescência com eixo simples onde se encontram flores sésseis, ou seja, sem pedicelo.

Espinho: órgão de origem foliar (portanto com vascularização), com morfologia modificada, adquirindo característica esclerificada, pontiaguda e sem limbo. Diferentemente dos acúleos, não se soltam com facilidade.

Espora (ou calcar): apêndice originário das sépalas ou pétalas, formando uma estrutura oca e afilada, que produz e armazena néctar.

Estame: unidade estrutural que compõe o androceu, a parte masculina da flor. Cada estame é composto por filete e antera. O filete é uma estrutura semelhante a uma pequena haste que sustenta, no seu ápice, as anteras, que é onde são produzidos os grãos de pólen. O número, o tamanho e sua posição em relação à corola são apenas alguns dos muitos caracteres taxonômicos relativos aos estames.

Estaminódio: tipo de estame de tamanho reduzido, rudimentar ou modificado, podendo sua antera ser atrofiada ou ausente, sendo, portanto, estéril. 

Estigma: estrutura localizada na porção apical do pistilo, unidade que representa o órgão feminino da flor, formado ainda pelo estilete e pelo ovário.

Estilete: porção entre o ovário da flor na sua porção proximal, e o estigma, na sua porção distal, conectando-os.

Estípulas: apêndices, geralmente aos pares, com estrutura laminar, que podem ocorrer na base das folhas, protegendo a gema.

Estolonífero: que possui caule tipo estolho. 

Estolho: caule lateral, paralelo ao solo (acima ou abaixo deste), com nós e entrenós e raízes adventícias. 

Exsicata: termo utilizado para denominar o material vegetal herborizado que está tombado em um herbário, fazendo parte de seu acervo. Toda exsicata deve conter o material vegetal seco em envelope ou afixado em uma folha de papel, com etiqueta contendo identificação taxonômica, data e local de coleta, coletor, determinador, e uma pequena descrição da planta com suas características morfológicas. Toda exsicata recebe um número de tombo sequencial (registro) dentro do acervo, bem como o carimbo do herbário onde foi tombada. As exsicatas são referenciadas com a sigla do herbário seguida do número de tombo. Ex.: HUNI 2037. 

Glossário - letra F

Filete: estrutura que compõe o estame, juntamente com as anteras; é semelhante a uma pequena haste que sustenta as anteras no seu ápice.

Filocládio: cladódio achatado, com aspecto semelhante ao de uma folha.

Filogenia: ramo da biologia que se ocupa do estudo das relações evolutivas entre grupos de organismos, buscando suas relações de parentesco a partir de análises moleculares.

Filotaxia: padrão de disposição das folhas ao longo do eixo caulinar.

Flor axilar: flor que se origina entre a folha e o caule. 

Folículo: tipo de fruto seco, deiscente, que se abre, comumente, em uma fenda lateral.

Folíolo: unidades que compõem uma folha composta.

Forrageira: planta que pode ser utilizada como pastagem para o gado.

Fusiforme: em forma de fuso.

Glossário - letra G

Gamopétala: com pétalas fundidas, formando um tubo.

Gamossépalo: com sépalas fundidas, formando uma estrutura única.

Gamotépalo: com tépalas fundidas.

Gavinha: estrutura que se enrola em ao entrar em contato com alguma superfície, atuando no suporte aéreo de caules; muito comum em trepadeiras. 

Genérico: relativo ao gênero (categoria taxonômica hierarquicamente acima de espécie e abaixo de família).

Gêneroconstitui uma unidade taxonômica que abrange espécies com características morfológicas e funcionais muito semelhantes. Na nomenclatura binomial, sempre em latim, o primeiro nome que aparece é o gênero, sempre com a primeira letra maiúscula. A combinação do gênero mais o epíteto específico dá o nome científico de uma espécie. O nome genérico é um substantivo ou palavra substantivada, podendo fazer referência à alguma característica predominante nas espécies daquele gênero (ex.: Erythrina, do grego erythros, que significa vermelho), à alguma pessoa, como homenagem (ex.: Gaylussacia, em homenagem a Gay-Lussac, físico e químico francês), à alguma localidade de ocorrência (ex.: Brasilopuntia, cactácea ocorrente no Brasil) ou ao nome popular/nativo, antes da denominação científica (ex.: Tabebuia, nome indígena da planta). 

Geotropismo: movimento ou crescimento das plantas orientado pela força da gravidade. Ex.: geotropismo positivo - a planta cresce verticalmente, no sentido do solo, seguindo a força da gravidade; geotropismo negativo: a planta cresce em sentido oposto ao solo, no sentido contrário ao da gravidade.

Glabra: sem pelos ou tricomas, lisa. 

Glauca: órgão vegetal de coloração verde-pálida, como se estivesse coberto por uma camada de pó; essa coloração esbranquiçada se deve à presença de grande quantidade de cera sobre a epiderme.

Globosa: de formato esférico.

Glomérulo: inflorescência tipo cimeira, extremamente contraída e densa, de modo que se apresenta com forma esférica, globosa.

Grampiforme (raíz): sem função de absorção de nutrientes, realiza a fixação do vegetal no substrato, apoiando seu crescimento em direção à luz.

Glossário - letra H

Hábito: tipo de crescimento que um vegetal pode apresentar, a saber – árvore, arvoreta, arbusto, subarbusto, trepadeiras, trepadeiras lenhosas (lianas), erva.

Híbrido: indivíduo resultante do cruzamento entre duas espécies diferentes, apresentando características homogêneas entre outros também resultantes deste cruzamento, mas diferentes das características das espécies parentais. Geralmente, não geram indivíduos férteis. 

Hipantoestrutura floral resultante da fusão das bases das sépalas, pétalas e estames, comumente encontrado nas espécies de Rosaceae e Fabaceae.

Hipocrateriforme: corola com tubo alongado, alargando-se rapidamente na parte superior, formando lacínios livres e expandidos.

Hirsuta: coberta por tricomas eretos e longos, dando sensação aveludada ao toque.

Holótipo: "espécime ou uma ilustração utilizada ou designada pelo autor como o tipo nomenclatural." (Mazzocato & Biondo, 2011).

Glossário - letra I

Inflorescência: ramo ou sistema de ramos, que produz flores em seu comprimento, obedecendo a um determinado padrão morfológico.

Infundibuliforme: com pétalas fundidas na base, em formato de funil (termo associado, geralmente, ao tipo de corola).

Invasora: planta exótica que possui alta capacidade reprodutiva, alta capacidade de manutenção de sua população e alta capacidade de dispersão para áreas distantes, mantendo essas características nos locais onde é dispersada e atingindo locais cada vez mais distantes. 

Glossário - letra L

Lacínio: parte apical da sépala ou pétala, que forma lobos soltos em cálices ou corolas gamopétalas, respectivamente.

Lanceoladas: em formato de lança.

Latescente: que possui látex, substância, geralmente, de aspecto leitoso, que é liberada na ruptura de folhas e/ou caules de algumas espécies de plantas, sendo uma importante característica taxonômica.

Látex: substância geralmente esbranquiçada, de aspecto leitoso, podendo ainda ser translúcida ou amarelada, que escorre de caules e folhas de certas espécies vegetais quando cortados. A presença/ausência de látex nos vegetais é uma importante característica taxonômica, já que possui ocorrência limitada a algumas famílias e gêneros botânicos.

Lectótipo: "espécime ou ilustração designado a partir do material original como tipo nomenclatural. Isso acontece posteriormente à publicação, quando ocorreu designação de holótipo na época da publicação, se o holótipo está desaparecido ou se for concluído que ele incluiu mais de um táxon." (Mazzocato & Biondo, 2011).

Legume (ou fava): fruto comumente encontrado na família Fabaceae (Leguminosae), como, por exemplo, o feijão, a ervilha, a soja.

Lenhoso: Caules que apresentam crescimento secundário com aspecto de madeira.

Linear: folha com margens paralelas ao longo de quase todo seu comprimento.

Linnaeus: Species PlantarumCarl Nilsson Linnæus ou Carl von Linné (1707-1778), médico, botânico e Linnaeuszoólogo sueco; é o criador da nomenclatura binomial e também conhecido como o “Pai da Taxonomia”, por  estabelecer as bases científicas da classificação hierárquica dos organismos vivos em  categorias, hoje denominadas táxons. É o autor do Species Plantarum, publicado em 1753, onde os princípios da nomenclatura binomial foram lançados; continha a lista e descrição de todas as espécie de plantas conhecidas até então. 

 

Lobada (margem): com lobos (porção produzida por incisões a partir das margens).

Glossário - letra M

Membranácea (textura): folha muito fina e flexível que, quando seca, apresenta textura semelhante ao papel de seda.

Glossário - letra N

Naviculada: em formato de barco ou canoa.

Néctar: substância aquosa composta principalmente por açúcares, produzida pelos nectários, com a função de atrair animais polinizadores.

Nectário: região da planta que apresenta estrutura morfológica característica para a produção e armazenamento de néctar.

Nodulação: infecção da raiz de certas espécies de plantas por bactérias fixadoras de nitrogênio atmosférico (N2), promovendo formação de nódulos.

Nomenclatura binomial: sistema que atribui aos organismos vivos seus nomes científicos, que são compostos por duas palavras: gênero e epíteto específico; esse sistema é usado e regulamentado pelos códigos nomenclaturais de Botânica, Zoologia e Bacteriologia. Diferente do nome popular, que varia de região para região, onde um mesmo nome pode indicar organismos completamente distintos e causar confusão, o nome científico é invariável no mundo todo, e é sempre em latim, evitando neologismos.

Nomenclatura genérica: nomenclatura relacionada ao gênero botânico.

Glossário - letra O

Oblonga: tipo de folha que possui base e ápice obtusos, com margens laterais paralelas, onde o comprimento é 2 ou 3 x maior que a largura da folha. 

Obovada: folha que tem a porção apical mais larga que a porção basal.

Obtuso: base ou ápice foliar que apresenta um ângulo maior que 90° entre suas margens. 

Oposta (filotaxia): tipo de filotaxia onde um nó desenvolve duas folhas, uma para cada lado.

Oposta-cruzada: quando o par de folhas superior se situa com desvio de 90° em relação ao anterior, criando uma disposição perpendicular entre os pares.

Orbiculare: tipo de folha com formato circular, apresentando ápice e base distinguíveis, respectivamente, pelo ápice da nervura central e inserção do pecíolo. Também chamada de rotunda.

Órgãos de reserva: raízes, caules ou folhas modificados e adaptados para acumular água ou nutrientes, que serão utilizados para a sobrevivência da planta quando esta estiver em condições desfavoráveis. 

Ovado, oval ou ovalado: com formato semelhante ao de um ovo. 

Glossário - letra P

PANC: a sigla PANC (Plantas Alimentícias Não Convencionais), abrange partes de plantas comumente não utilizadas na alimentação, como flores de vitória-régia ou folhas de paineira, mas também partes não convencionais de plantas comumente comestíveis, como folhas de mandioquinha ou cascas de banana.

Panícula: tipo de inflorescência onde um racemo possui, no lugar das flores, racemos menores, este sim com flores. É como se fosse um cacho de cachos. 

Parafilético: grupo que inclui alguns, mas não todos os descendentes de um ancestral comum. Termo usado em Filogenia. 

Pauciflora (inflorescência): que apresenta poucas flores.

Peciolada: com pecíolo.

Pecíolo: estrutura que liga a base do limbo foliar ao caule.

Pedicelo: eixo de sustentação de cada flor da inflorescência. Flores sem pedicelo são chamadas de flores sésseis.

Pedúnculo: eixo que sustenta cada flor solitária ou toda a inflorescência.

Pentâmera: flor que apresenta sépalas, pétalas ou tépalas em número de cinco (ou seus múltiplos).

Perianto: denominação que abrange os dois verticilos vegetativos florais, a saber, cálice e corola.

Pericarpelo: região do receptáculo floral das cactáceas, compondo a parte inferior da flor, prolongando-se entre o ovário e o perianto.

Pericarpo: nome que o ovário amadurecido recebe após a frutificação, sendo dividido em endocarpo, mesocarpo e epicarpo. 

Pétalaunidades que formam a corola, com formas e cores variadas. 

Petaloide: semelhante à pétala.

Pilosa: superfície ou estrutura coberta por pelos (tricomas) finos e frágeis, proporcionando textura aveludada.

Pinada (folha): tipo de folha composta onde os folíolos distribuem-se opostamente, ao longo de um eixo central.

Pistilo: Estrutura composta por ovário, estilete e estigma, que compreende o gineceu ou parte feminina da flor.

Pixídio: tipo de fruto seco, deiscente, que se abre em uma extremidade através de uma estrutura semelhante a uma tampa, denominada opérculo, liberando suas sementes.

Plagiotrópico (crescimento): crescimento de um eixo em direção paralela ao substrato.

Porção distal: parte mais afastada da planta, extremidade.

Procumbente: caule prostrado, que cresce paralelamente à terra ou substrato, apenas se apoiando nestes, sem enraizar-se. 

Pseudocaule: estrutura formada por bainhas foliares sobrepostas de modo tão denso que dão a impressão de formarem um caule. Um pseudocaule característico é o “falso tronco“ da bananeira. 

Pseudofruto: estrutura semelhante a um fruto verdadeiro, mas que difere deste por não ter se originado a partir do ovário da flor, mas de outra estrutura, como pedicelo ou hipanto. 

Pubescentesuperfície com alta densidade de pelos (tricomas) curtos.

Purpurescente: que apresenta coloração púrpura, um tom vermelho-azulado. 

Glossário - letra Q

Quimiotipo: plantas de uma mesma espécie que possuem as mesmas características morfológicas mas produzem diferentes quantidades de componentes químicos em seus óleos essenciais, devido a pequenas alterações genéticas. Para que um quimiotipo seja considerado válido, a composição do óleo essencial deve ser estável, independente da época ou local de produção, pois é uma propriedade da própria planta e não depende de condições ambientais ou do método extrativo. Quando a produção dos óleos essenciais é alterada em função de variações naturais do clima, solo, altitude, exposição solar, chuvas, época de colheita e extração química, a planta é considerada um geotipo e não quimiotipo.

Glossário - letra R

Racemo: tipo de inflorescência onde as flores, sempre pediceladas, são inseridas ao longo de um eixo simples alongado.

Racemosa (inflorescência): também chamada de indeterminada ou monopodial, onde seus eixos terminam com uma gema floral; neste tipo de inflorescência, as flores se abrem de baixo para cima ou de fora para dentro.

Ráfides: cristais de oxalato de cálcio (CaC2O4), em forma de agulha, que ocorrem isolados ou formando feixes, e são encontrados nas células de várias espécies vegetais.

Receptáculo: porção dilatada da extremidade do pedúnculo, onde são inseridas as flores ou seus componentes (verticilos), como cálice, corola, e partes feminina (gineceu) e masculina (androceu).

Rizóforo: estrutura de origem caulinar, com numerosas raízes, ramificações espessadas, geotropismo positivo e crescimento plagiotrópico; significa "portador de raízes".   

Rizoma: caule subterrâneo, geralmente horizontal, que cresce paralelo ao substrato, sendo o eixo principal da planta, de onde partem folhas e/ou ramos.

Rizomatosa: que possui rizoma.

Roseta: padrão de filotaxia onde os entrenós são tão curtos que as folhas aparentam estar todas saindo do mesmo ponto, de modo circular, ficando parcialmente sobrepostas.

Rostrado: ápice foliar que apresenta suas laterais enroladas e fundidas, formando uma espécie de bico rígido. 

Rotunda: tipo de folha com formato circular, apresentando ápice e base distinguíveis, respectivamente, pelo ápice da nervura central e inserção do pecíolo. Também chamada de orbicular.

Glossário - letra S

Sarmento: tipo de caule, longo e flexível, que pode ser rastejante ou elevar-se, com auxílio de gavinhas ou apoiando-se a um suporte. Se plantado em lugar elevado, torna-se pendente.

Scientia amabilis: curiosa e histórica denominação dada por Linnaeus à Botânica, pois apesar do seu rigor, é uma ciência adorável, já que desperta interesse, afeição e encantamento daqueles que a ela se dedicam.

Sempre-viva: nome dado a escapos florais e inflorescências que mantém seu aspecto e cor como se fossem plantas ainda vivas, mesmo após serem coletadas das plantas onde se desenvolveram; são muito usadas como plantas ornamentais e na decoração de interiores, pela sua beleza e durabilidade.

Senescência: conjunto de processos fisiológicos relacionados ao envelhecimento.

Sépalas: unidades que formam o cálice, muito semelhantes a folhas, geralmente verdes. 

Sepaloide: semelhante à sépala.

Seríceo: superfície ou estrutura coberta densamente por pelos (tricomas) muito finos que se dispõem deitados sobre estas, proporcionando textura macia e aspecto visual brilhante, semelhante à seda.

Serrada (margem): tipo de folha com a margem recortada em pequenos e curtos lobos apontados para o ápice.

Serrilhada (margem): tipo de folha com a margem semelhante à serrada, diferindo no tamanho tamanho dos pequenos lobos, muito menores e mais espaçados que esta.

Séssil: folha sem pecíolo ou flor sem pedúnculo/pedicelo.

Síliqua: fruto característico da família Brassicaceae, a família botânica da rúcula, couve, brócolis, mostarda; é um fruto seco, com duas valvas separadas por um septo; quando maduro, as valvas se abrem, expondo as sementes, presas no septo.

Sinistrorso: caule volúvel que se move no sentido anti-horário.

Subcordada: tipo de base foliar que apresenta a formação de um lobo levemente proeminente em cada um dos lados da inserção do pecíolo. É uma forma atenuada da base cordada.

Subespécie: população fenotipicamente semelhante a uma espécie, que habita uma subdivisão geográfica dentro do espaço de distribuição desta espécie, mas difere taxonomicamente das outras populações dessa espécie.

Sublenhosa: planta com caule (tronco) lenhoso na base e herbáceo no ápice.

Subulada: estrutura linear fina, que tem ápice estreito, de formato semelhante a uma agulha.

Suculento: órgão ou estrutura de aspecto intumescido, geralmente cilíndrico, pois acumula água nos seus tecidos.

Sufruticosa: lenhosa perene e na base, mas permanecendo herbácea na sua porção distal.

Glossário - letra T

Tépala: termo usado para definir pétalas e sépalas tão semelhantes que não podem ser diferenciadas umas das outras.

Tetrâmera: flor que apresenta sépalas, pétalas ou tépalas em número de quatro (ou seus múltiplos). 

Tipo (tipo nomenclatural): elemento ao qual o nome de um táxon está permanentemente ligado, seja como um nome correto ou como um sinônimo; pode ser um único espécime conservado em um herbário, coleção ou instituição, ou pode ser uma ilustração (adap. Mazzocato & Biondo, 2011). 

Tomentoso: coberto densamente por tricomas curtos, com aspecto aveludado e com maciez ao toque.

Topiária: prática de jardinagem onde as copas de arbustos e árvores são podadas dando origens a diferentes formas artísticas. Para saber mais sobre a arte da topiária: https://revistajardins.pt/a-arte-da-topiaria/

Trepadeira: planta que se desenvolve utilizando um substrato ou outro vegetal como suporte, enrolando-se sobre estes ou fixando-se através de estruturas especiais como, por exemplo, gavinhas.

Tricomas: estruturas uni- ou pluricelulares da epiderme que se projetam, formando pelos, escamas ou contendo substâncias, comumente aromáticas.

Trifoliolada: folha composta por três folíolos. 

Trímeras: flor que apresenta sépalas, pétalas ou tépalas em número de três (ou seus múltiplos). 

Tubérculo: caule lateral, subterrâneo ou não, bastante espessado (intumescido), rico em nutrientes e com gemas, de onde nascem novas plantas.

Tuberosa (raiz): raiz espessada, de consistência carnosa e macia, comumente pouco ramificada, caracterizando como um órgão de reserva para períodos de dormência  ou rebrota.

Tubiflora: flor que possui seu cálice ou corola em formato tubular, fina e estreita, com pequenos lacínios.

Tubo estaminal (ou coluna estaminal): tubo formado pela união dos filetes dos estames, por onde passa, no seu interior, o estilete, permitindo o aparecimento do estigma na sua extremidade distal.

Tubular: em forma de tubo

Glossário - letra U

Umbela: tipo de inflorescência onde as flores possuem pedicelos que saem do mesmo ponto, no ápice de um mesmo eixo.

Glossário - letra V

Vagem: fruto tipo legume quando ainda está verde.

Variedade: nível secundário de táxon, infraespecífico, abaixo de espécie e acima de forma, abreviada por var. em letras minúsculas, grafia normal, não itálico. Variedade sempre se refere a diferenças e variações naturais, ou seja, encontradas na natureza sem interferência humana, como cor da flor ou folha, por exemplo.

Verticilada: tipo de filotaxia onde três ou mais folhas partem de um mesmo nó.

Verticilastro: tipo de inflorescência composta por cimeiras muito densas surgem nas axilas opostas de um eixo florífero, dando a impressão de ser um verticilo; é muito comum nas espécies da família Lamiaceae.

Vináceo: da cor do vinho tinto.

Volúvel: tipo de caule delgado que se enrola em um suporte. Dependendo da direção deste enrolamento, é chamado de dextrorso ou sinistrorso

Glossário - letra X

Xerófita: planta que possui adaptações para viver em climas semiáridos e desérticos, como raízes longas para captação de água em regiões mais profundas, caules e folhas suculentos para armazenagem de água ou folhas pequenas, reduzidas a espinhos, impedindo a perda de água com a transpiração. 

 

 

 

Barra verde - referências bibliográficas

Filgueiras, T.S. (1988) Botânica para quem gosta de plantas. Brasília: Thesaurus.

Giulietti, N.; Giulietti, A.M.; Pirani, J.R.; Menezes, N.L. Estudos em sempre-vivas: importância econômica do extrativismo em Minas Gerais, Brasil. Acta Botanica Brasilica, v. 1, n. 2, Supl. 1, p. 179-193. 1987.

Gomes-Pimentel, R.; Braz, D.M.; Germano-Filho, P.; Gevú, K.V.; Silva, I.A.A. (2017). Morfologia de Angiospermas. 1ª. ed. Rio de Janeiro: Technical Books Editora

Gonçalves, E.G.; Lorenzi, H. (2011) Morfologia Vegetal. 2ª. ed., São Paulo: Instituto Plantarum de Estudos da Flora.

Harrison, L. (2012) Latim para jardinistas: mais de 3000 plantas explicadas e detalhadas. São Paulo: ed. Europa. 

Hodge, G. (2014) Botânica para Jardinistas - a arte e a ciência do jardinismo explicadas e exploradas. São Paulo: Ed. Europa.

Kinupp, V.F., Lorenzi, H. (2017) Plantas Alimentícias Não Convencionais (PANC) no Brasil. Reimpressão, São Paulo: Instituto Plantarum de Estudos da Flora.

Lorenzi, H. (2015) Plantas para jardim no Brasil – herbáceas, arbustivas e trepadeiras. 2ª. ed., São Paulo: Instituto Plantarum de Estudos da Flora.

Mazzocato, E.C.; Biondo, E. (2011). Tipos Nomenclaturais e Principais Famílias do Herbário CNPO da Embrapa Pecuária Sul. Bagé: EMBRAPA Pecuária Sul. 

MEC - Ministério da Educação e Cultura. Dicionário escolar latino-português. 3ª ed. Rio de Janeiro: Departamento Nacional de Educação. 1962.

Moreira, H.J.C.; Bragança, H.B.N. (2011) Manual de identificação de plantas infestantes - Hortifrúti. São Paulo: FMC Agricultural Products.

Moro, M.F.; Souza, V.C.; Oliveira-Filho, A.T.; Queiroz, L.P.; Fraga, C.N.; Rodal, M.J.N.; Araújo, F.S.; Martins, F.R. Alienígenas na sala: o que fazer com espécies exóticas em trabalhos de taxonomia, florística e fitossociologia? Acta Botanica Brasilica,  v. 26, n. 4, p. 991-999,  2012.

Peixoto, A.L.; Maia, L.C. (orgs.) (2013). Manual de procedimentos para herbários. Recife: Editora Universitária UFPE / INCT.

Quattrocchi, U. (2012) CRC World Dictionary of Medicinal and Poisonous Plants: Common Names, Scientific Names, Eponyms, Synonyms, and Etymology. Reimpressão. Boca Raton: CRC Press.

Renno, L.R. (1963) Pequeno dicionário etimológico das famílias botânicas. Belo Horizonte: Imprensa da Universidade de Minas Gerais. 

Souza, V.C.; Lorenzi H. Botânica sistemática. 3ª. ed., São Paulo: Instituto Plantarum de Estudos da Flora.

Vidal, W.N.; Vidal, M.R.R. (2000) Botânica Organografia - Quadros sinóticos ilustrados de fanerógamas. 4ª. ed. Viçosa: Editora UFV. 

Menu

Página Inicial

Histórico

Patrono

Acervo

- Coleção Claudia Bove

Serviços

Equipe

Colaboradores

Parcerias

Projetos de Extensão   

- Canto das Flores ONLINE  Novo 3

     Logo Coleção Didática - definitivo

Fale conosco

Divulgação

HUNI na mídia

Eventos

Agradecimentos

Acesso do acervo HUNI

 >>> JABOT <<<

            Logo HUNI sem nome 

>>> SPECIES LINK <<<

           Logo HUNI sem nome

 Apoio

Logo FAPERJ

 

 

 

 

 

Colaboração                           

JBRJ

 

 INCT

SpeciesLink