Ferramentas Pessoais

Você está aqui: Página Inicial / Catharanthus roseus (L.) G.Don

Catharanthus roseus (L.) G.Don

Família: APOCYACEAE

Nome científico: Catharanthus roseus (L.) G.Don

Nome popular: vinca

 

Catharanthus roseus - Canto das Flores 1

Catharanthus roseus - Canto das Flores 2

Catharanthus roseus - Canto das Flores 5

Catharanthus roseus - Canto das Flores 3

Catharanthus roseus - Canto das Flores 4

Fotos: Sandra Zorat Cordeiro

Barra exsicata

Para o PDF da etiqueta, clique aqui.

Catharanthus roseus - Exsicata

Foto: Matheus Gimenez Guasti

Barra verde - características

Originário de Madagáscar, Catharanthus roseus é uma planta que, atualmente, possui ampla distruibuição em regiões tropicais e subtropicais de todo o mundo, sendo comercializada e facilmente encontrada em jardins e projetos paisagísticos pelo seu grande apelo ornamental. Apresenta-se como uma espécie herbácea, latescente, ereta, atingindo cerca de 50 cm de altura, podendo apresentar hábito subarbustivo em regiões mais frias. Possui filotaxia oposta cruzada, sendo bastante ramificada; suas folhas são elípticas, de cor verde escura brilhante, com nervação verde clara ou esbranquiçada, assim como o caule. Suas inflorescências são terminais, com apenas uma ou duas flores tubulares de corola hipocrateriforme, podendo apresentar cor branca ou rosa, além de formas cultivadas de cores mais vivas e mescladas entre branco, púrpura e vermelho. Possui frutos tipo folículo, com pequenas e escuras sementes.

Conhecida popularmente como vinca ou vinca-de-madagáscar, essa denominação provém de um equívoco na sua classificação taxonômica. Inicialmente determinada por Linnaeus como uma espécie do já conhecido gênero Vinca, de aspecto muito semelhante e também da família Apocynaceae, esta espécie foi posteriormente analisada por G. Don, que percebeu o equívoco e a reclassificou, criando um novo gênero, Catharanthus. De acordo com o próprio autor, esse nome se origina das palavras gregas katharos que significa pureza e anthos que significa flor, uma referência à pureza e à beleza de suas flores; já seu epíteto específico, roseus, é devido à coloração de suas flores.

Por conta desse equívoco na sua classificação original, essa espécie é, até hoje, conhecida como vinca, e, consequentemente, por outras denominações pelas quais é conhecida a verdadeira planta do gênero Vinca, como boa-noite ou violeta-das-bruxas, herdando - equivocadamente - no imaginário popular, as suas supostas propriedades mágicas. Desta forma, é comum encontrar relatos populares do uso de Catharanthus roseus em preparos de poções, feitiços e encantamentos de amor. No Candomblé, além de ser utilizada em banhos e benzimentos, ela é usada como um ingrediente na preparação de um tipo de água onde os adivinhos lavam suas vistas no intuito de atraírem boas visões ou profecias.

Embora altamente tóxica, com propriedades purgativas, irritantes e alucinógenas, o uso da vinca-de-madagáscar é prática comum tanto pela tradicional medicina indiana, a Ayurveda, como pela medicina popular. Seu uso é recomendado, sempre após decocção, no tratamento da malária e contra doenças de pele, picadas de inseto, diarreia, hipertensão e, principalmente, diabetes. E foi na procura de substâncias que proporcionassem a cura ou mitigação dos efeitos da diabetes que a maior contribuição farmacológica desta espécie foi descoberta. 

Em 1952, o Dr. Clark Noble, médico canadense que tinha pesquisado alternativas à insulina, recebeu de um paciente jamaicano, um pacote com folhas de Catharanthus roseus. Na ocasião, seu paciente afirmou que, na Jamaica, era comum o uso de um chá destas folhas por diabéticos na ausência de insulina. Como estava afastado da área de pesquisa, entregou as folhas para seu irmão, Dr. Robert Noble, também médico e canadense.

Nas suas pesquisas, o Dr. Robert Noble verificou que as folhas não surtiram o efeito desejado no índice glicêmico, mas causaram uma acentuada redução de leucócitos no sangue dos animais testados, o que sugeria um possível efeito no tratamento da leucemia. Dois anos depois, com a chegada do médico inglês  Dr. Charles Beer à equipe, foi realizado o isolamento e purificação de um alcaloide das folhas da vinca, denominado vimblastina. Na mesma época, a equipe da companhia farmacêutica Eli Lilly isolou, também das folhas da vinca, outro alcaloide com propriedades antineoplásicas, a vincristina. A vimblastina é hoje, juntamente com a vincristina, um dos agentes terapêuticos mais eficazes no tratamento de leucemias, doença de Hodgkin e vários outros tipos de câncer.

As descobertas dos doutores Robert Noble e Charles Beer causaram um profundo impacto na história médica do Canadá, impulsionando as pesquisas relacionadas ao combate ao câncer. Anualmente, a Canadian Cancer Society oferece aos pesquisadores que mais se destacaram nas investigações contra o câncer, o Prêmio Robert Noble, uma homenagem ao descobridor da vimblastina. 

O que a história não faz questão de alardear, no entanto, é que na equipe do Dr. Robert Noble havia uma mulher: a polonesa Halina Czajkowski Robinson, uma sobrevivente do Campo de Concentração de Auschwitz. Após a guerra, ela estudou engenharia química e trabalhou no prestigiado Instituto Karolinska, na Suécia, chegando ao laboratório do Dr. Noble quando sua família se mudou para o Canadá. O foco dos estudos com a vinca eram voltados para a busca de um substituto para a insulina, mas foi a jovem Halina que teve a iniciativa de monitorar as contagens de leucócitos, para treinar as habilidades adquiridas na Suécia... 

Quando ela percebeu a queda na contagem de leucócitos, suspeitou de erro, mas repetições mostraram que não se tratava de erro, e sim, evidência. Quando ela mostrou seus resultados ao Dr. Noble, em 1953, ele enviou as amostras para que fossem analisadas pelo Dr. Vernon Colpitts, em outro laboratório, que confirmou os resultados, e recebeu do Dr. Noble os créditos das observações feitas por Halina.

Halina então sugeriu aplicação de técnicas de cromatografia para isolamento do componente ativo, mas isso só foi feito com a chegada do Dr. Charles Beer, em 1954. O resto da história foi a descoberta da vimblastina, resultando em condecorações e prêmios para os doutores envolvidos, mas não para Halina. O nome dela aparece apenas nos agradecimentos do aclamado artigo, publicado em 1958, mas não como Halina, e sim como Helena Robinson, possivelmente por conta de um pequeno erro de ortografia do brilhante doutor...

Texto: Sandra Zorat Cordeiro

Barra verde - referências bibliográficas

Apocynaceae in Flora do Brasil 2020 em construção. Jardim Botânico do Rio de Janeiro. Disponível em: <http://reflora.jbrj.gov.br/reflora/floradobrasil/FB80256>. Acesso em: 11 Dez. 2019.

Brandão, N.H.; David, J.P.; Couto, R.D.; Nascimento, J.A.P.; David, J.M. Química e farmacologia de quimioterápicos antineoplásicos derivados de plantas. Química Nova, v. 33, n. 6, p. 1359-1369, 2010.

CABI - Invasive Species Compendium. Catharanthus roseus (Madagascar periwinkle). Disponível em https://www.cabi.org/isc/datasheet/16884#toidentity. Acesso em 11 Dez. 2019. 

Don, G.; Miller, P. A General System of Gardening and Botany. Founded upon Miller's Gardener's Dictionary, and Arranged According to the Natural System. London: C.J.G. & F. Rivington, 1831. Disponível em https://www.biodiversitylibrary.org/item/84379#page/107/mode/1up. Acesso em 11 Dez. 2019.

Duffin, J. Poisoning the Spindle: Serendipity and Discovery of the Anti-Tumor Properties of the Vinca Alkaloids. Canadian Bulletin of Medical History, v. 17, n. 1-2, 155-192, 2000

Gunfaremim, J. Vinca - Catharanthus roseus (L). Disponível em http://gunfaremim.com/?p=1400. Acesso em 11 Dez. 2019.

Mallik, J.; Chowdhury, H.B.; Al Faruq, A.; Das, S. Pharmacological profile of Catharanthus roseus (Apocynaceae) - a detailed review. Asian Journal of Pharmaceutical Research and Development, v. 1, n. 3, p. 1-6, 2013.criar loja virtual

Mishra, J.N.; Verma, N.K. A brief study on Catharanthus roseus: A review. International Journal of Research in Pharmacy and Pharmaceutical Sciences, v. 2, n. 2, p. 20-23, 2017.

Noble, R.L.; Beer, C.T.; Cutts, J.H. Role of chance observations in chemotherapy: Vinca rosea. Annals of the New York Academy of Sciences, v. 76, n. 3, 882-894, 1958.

Pacheco, J.M. Contribuição ao estudo anatômico da espécie Catharanthus roseus (L.) G.Don. var. roseus (Apocynaceae). Rodriguésia, v. 32, n. 52, p. 39-54, 1980

Quattrocchi, U. (2012) CRC World Dictionary of Medicinal and Poisonous Plants: Common Names, Scientific Names, Eponyms, Synonyms, and Etymology. Reimpressão. Boca Raton: CRC Press. 2012.

Santos, M.C.A.; Freitas, S.P.; Aroucha, E.M.M.; Santos, A.L.A. Anatomia e histoquímica de folhas e raízes de vinca (Catharanthus roseus (L.) G. Don). Revista de Biologia e Ciências da Terra, v. 9, n. 1, p. 24-30, 2009. 

contador gratuito
Menu

Página Inicial

Histórico

Patrono

Acervo

- Coleção Claudia Bove

Serviços

Equipe

Colaboradores

Parcerias

Projetos de Extensão   

- Canto das Flores ONLINE  Novo 3

     Logo Coleção Didática - definitivo

Fale conosco

Divulgação

HUNI na mídia

Eventos

Agradecimentos

Acesso do acervo HUNI

 >>> JABOT <<<

            Logo HUNI sem nome 

>>> SPECIES LINK <<<

           Logo HUNI sem nome

 Apoio

Logo FAPERJ






Colaboração                           

JBRJ

 

 INCT

SpeciesLink