código do Google analytics Grupo de pesquisa em Bioinformática da UNIRIO utiliza modelos computacionais para analisar novo tratamento para doenças infecciosas — Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro
Portal do Governo Brasileiro

Webmail | Guia Telefônico |  Perguntas Frequentes |  Fale ConoscoOuvidoria Imprensa

Central de Conteúdos

Icone de um calendárioEventos

Ícone de um jornal dobradoPublicações

ícone periódicosPortal de Periódicos

icone de uma filmadora com auto falanteAudiovisual

Você está aqui: Página Inicial / Grupo de pesquisa em Bioinformática da UNIRIO utiliza modelos computacionais para analisar novo tratamento para doenças infecciosas

Grupo de pesquisa em Bioinformática da UNIRIO utiliza modelos computacionais para analisar novo tratamento para doenças infecciosas

por comunicacao — publicado 31/10/2019 09h55, última modificação 01/11/2019 14h51
O grupo publicou um artigo na revista internacional 'Internaccellular Biochemistry'

O  Grupo de Bioinformática e Biologia Computacional  da UNIRIO publicou um artigo na edição de setembro da revista Internaccellular Biochemistry. Neste trabalho, o grupo analisou, por simulação computacional, o efeito de um inibidor da síntese de trealose, associada à virulência das microbactérias que causam, por exemplo, a tuberculose e a hanseníase.

 O artigo Trehalose synthesis inhibitor: A molecular in silico drug design reúne resultados dos projetos do aluno Lucas Machado Gonçalves (mestrando PPGNEURO/UNIRIO) e do Dr. Eduardo Thomaz Vasconcelos Trevisol, em colaboração com a professora  Bárbara de Azevedo Abrahim Vieira (UFRJ). A pesquisa foi orientada pela coordenadora do Laboratório de Bionformática da UNIRIO, professora Joelma Freire de Mesquita (UNIRIO). 

 De acordo com a coordenadora, a pesquisa pode contribuir de forma sustentável para combater doenças infecciosas. "As doenças infecciosas são ainda um grave problema de saúde pública, afetando grande parte da população mundial. O uso de modelos computacionais para o desenho racional de novos medicamentos tem diminuído nas últimas décadas os custos, o uso de cobaias e o tempo com a pesquisa, reduzindo, assim, efeitos colaterais, e permitindo o desenvolvimento de tratamentos mais eficientes", explicou.

 


Capes CNPQ Imagem Rede Unirio