código do Google analytics Estudo clínico 'in vitro' avalia ação da proteína lactoferrina no combate à Covid-19 — Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro
Portal do Governo Brasileiro

Webmail | Guia Telefônico |  Perguntas Frequentes |  Fale ConoscoOuvidoriaImprensa

Central de Conteúdos

Icone de um calendárioEventos

Ícone de um jornal dobradoPublicações

ícone periódicosPortal de Periódicos

icone de uma filmadora com auto falanteAudiovisual

Você está aqui: Página Inicial / Estudo clínico 'in vitro' avalia ação da proteína lactoferrina no combate à Covid-19

Estudo clínico 'in vitro' avalia ação da proteína lactoferrina no combate à Covid-19

por Comunicação publicado 03/11/2020 16h40, última modificação 03/11/2020 16h45
Iniciativa é uma parceria entre Instituto de Tecnologia em Imunobiológicos (Bio-Manguinhos), UNIRIO e HUGG

Avaliar a ação da proteína lactoferrina no combate à Covid-19 é o objetivo do estudo clínico in vitro idealizado pela equipe do Laboratório de Tecnologia Imunológica (Latim), do Instituto de Tecnologia em Imunobiológicos (Bio-Manguinhos/Fiocruz). A coordenação é da pesquisadora Ana Paula Dinis Ano Bom.

Trata-se de uma parceria inédita entre o Instituto Bio-Manguinhos, a UNIRIO e o Hospital Universitário Gaffrée e Guinle (HUGG). Na UNIRIO, a pesquisa envolve o Laboratório de Bioquímica Estrutural (LBE), coordenado pelos professores Rafael Braga Gonçalves e Jorge da Cunha Barbosa Leite, gerente de Ensino e Pesquisa do HUGG.

A pesquisa irá avaliar amostras de sangue de voluntários com e sem Covid-19, traçando uma comparação entre os participantes saudáveis e aqueles ainda convalescentes. O objetivo é verificar se a lactoferrina possui atividade imunomoduladora no sangue de pacientes diagnosticados com a doença. Dessa forma, a biomolécula teria capacidade de expressar ou inibir a expressão de proteínas do sistema imune.

A previsão é de que a etapa de coleta e processamento de amostras se encerre até dezembro deste ano. Após essa fase, terão início os testes para estimulação das células sanguíneas dos participantes. “Caso sejamos capazes de demonstrar que a lactoferrina é capaz de ter algum efeito imunomodulador, poderemos pensar em uma aplicação terapêutica para essa proteína, em pacientes com Covid-19”, aponta o professor Rafael Braga.


Capes CNPQ Imagem Rede Unirio