código do Google analytics Espetáculo ‘Makunaima, o outro’ reúne lendas indígenas e números musicais no palco do CCBB — Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro
Portal do Governo Brasileiro

Webmail | Guia Telefônico |  Perguntas Frequentes |  Fale ConoscoOuvidoriaImprensa

Central de Conteúdos

Icone de um calendárioEventos

Ícone de um jornal dobradoPublicações

ícone periódicosPortal de Periódicos

Ícone de uma filmadora na cor branca com findo azulVídeos

Você está aqui: Página Inicial / Espetáculo ‘Makunaima, o outro’ reúne lendas indígenas e números musicais no palco do CCBB

Espetáculo ‘Makunaima, o outro’ reúne lendas indígenas e números musicais no palco do CCBB

por comunicacao — publicado 11/12/2014 14h23, última modificação 11/12/2014 14h23
Produção do Nepaa permanece em cartaz até o dia 18 de janeiro

Lendas indígenas e números musicais interpretados por um elenco exclusivamente feminino compõem o espetáculo Makunaima – o outro, produzido pelo Núcleo de Estudos das Performances Afro-Ameríndias (Nepaa). Com texto e direção do coordenador do Nepaa, professor Zeca Ligiéro, a comédia dramática está em cartaz no Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB) até o dia 18 de janeiro.

A proposta é apresentar um Macunaíma diferente daquele que foi retratado por Mário de Andrade. No palco, as atrizes encenam as rápidas transformações no norte da Amazônia experimentadas pelo etnólogo alemão Theodor Koch-Grünberg e registradas em seu diário. A história do espetáculo foi produzida a partir da obra do pesquisador, que estudou os povos indígenas da América do Sul – inspirando, também, o escritor Mário de Andrade a escrever seu Macunaíma – o herói sem nenhum caráter.

A produção da peça durou quatro anos, tempo necessário para que o grupo reunisse todo o material, fizesse leituras e conversasse com ameríndios e antropólogos. Já a montagem foi feita em três meses. Segundo Zeca Ligiéro, o espetáculo trabalha com uma linguagem épica, “empregando estilos afro-ameríndios de contação de histórias: o cantar-dançar-batucar-contar como um todo indizível”.

Os personagens aparecem em narrativas das quais os animais também fazem parte e contracenam com humanos, pois, de acordo com o diretor, “dentro da cosmovisão ameríndia toda a natureza é parte da inteligência divina”.

As apresentações acontecem às quintas-feiras, sextas-feiras, sábados e domingos, sempre às 19h30. O CCBB se localiza na Rua Primeiro de Março, 66, Centro.

Outras informações pelo telefone (21) 3808-2020.


Capes CNPQ Imagem Rede Unirio