código do Google analytics Encontro de Bacharelados debate a extensão universitária — Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro
Portal do Governo Brasileiro

Webmail | Guia Telefônico |  Perguntas Frequentes |  Fale ConoscoOuvidoriaImprensa

Central de Conteúdos

Icone de um calendárioEventos

Ícone de um jornal dobradoPublicações

ícone periódicosPortal de Periódicos

Ícone de uma filmadora na cor branca com findo azulVídeos

Você está aqui: Página Inicial / Encontro de Bacharelados debate a extensão universitária

Encontro de Bacharelados debate a extensão universitária

por comunicacao — publicado 02/07/2013 00h00, última modificação 16/07/2015 17h04

“A extensão como ensino de graduação” foi o tema da mesa-redonda realizada na tarde desta terça-feira, no I Encontro de Bacharelados da UNIRIO. Participaram como debatedores o pró-reitor de Extensão e Cultura (PROExC) da Universidade, Diógenes Pinheiro, e a pró-reitora de Extensão, Esporte e Cultura da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ), Katherina Coumendouros. A professora do Departamento de Extensão da PROExC, Sonia Middleton, foi mediadora do evento.

“Ao contrário da atividade de pesquisa, que é consolidada nas universidades, a extensão sempre atuou um pouco à margem. O tripé ‘ensino-pesquisa-extensão’ ainda é meio torto”, brincou Pinheiro. Entretanto, segundo ele, essa realidade vem se transformando, em consequência de políticas públicas implementadas pelo Governo Federal nos últimos anos.

Para o pró-reitor, o contexto universitário atual exige que se repense a extensão. “Sou professor do curso noturno de Pedagogia, e a maioria dos meus alunos são trabalhadores que chegam em casa tarde depois das aulas, vão dormir e acordam no dia seguinte às 5h30 para trabalhar. Onde é que cabe a extensão na vida dessas pessoas?”, questionou. “Devemos discutir sobre o que é a extensão, pois ela pode e deve ser praticada de outras formas.”

Ele lembrou que a universidade costuma ser muito bem recebida nas comunidades onde se realizam ações de extensão, apesar da distância que, muitas vezes, há entre as instituições de ensino superior e os setores mais populares da sociedade. Entretanto, Diógenes ressaltou que o caminho oposto ainda não é tão bem-sucedido: “Devido a barreiras culturais, ainda é difícil trazer os integrantes dessas comunidades para dentro da universidade”, observou.

Diversidade

A pró-reitora da UFRRJ mencionou diferentes formas de se fazer extensão. A primeira e mais comum é por meio da realização de eventos, que, dentro de uma universidade, podem ser de diversos tipos, como concursos, seminários e mesas-redondas. Outra modalidade é a prestação de serviços (médicos, veterinários, jurídicos) à comunidade. Também é possível empreender projetos de cunho político, promover atividades complementares ao ensino - como prática em laboratórios, por exemplo - e realizar ações compensatórias, levando recursos para onde não há.

Katherina foi enfática ao destacar o caráter multidisciplinar das atividades de extensão. “Se as pessoas se unem, elas conseguem fazer muita coisa”, disse. Além disso, segundo ela, ninguém deve se sentir preso à própria área de atuação dentro da universidade, pois é possível explorar diferentes habilidades pessoais. “Muitas vezes, as pessoas acham que só podem fazer aquilo em que são especializadas, mas o ser humano é interdisciplinar”, concluiu.

O evento prossegue até a próxima quinta-feira, dia 4. Confira a programação: http://www2.unirio.br/unirio/prograd/noticias/i-encontro-de-bacharelados-da-unirio.


Capes CNPQ Imagem Rede Unirio