Portal do Governo Brasileiro

Portal de IdentificaçãoWebmail |  Guia Telefônico |  Perguntas Frequentes |  Fale Conosco |  Mapa do Site

Banner

Agenda de Eventos Unirio

Informativo UNIRIO Em Foco - outubro

Você está aqui: Página Inicial / Compositor Egberto Gismonti recebe título de Doutor Honoris Causa da UNIRIO

Compositor Egberto Gismonti recebe título de Doutor Honoris Causa da UNIRIO

por Comunicacao UNIRIO publicado 08/11/2017 12h50, última modificação 10/11/2017 09h39

Em sessão solene dos Conselhos Superiores, aconteceu na manhã desta quarta-feira, 8 de novembro, a outorga do título de Doutor Honoris Causa ao compositor e multinstrumentista Egberto Gismonti.

Gismonti foi conduzido à mesa solene pelos amigos Cassia Kiss e Salgado Maranhão. Além do reitor Luiz Pedro San Gil Jutuca, responsável pela outorga do título, compuseram a mesa solene a Decana do Centro de Letras e Artes da UNIRIO, professora Carole Gubernikoff , o Diretor do Instituto Villa-Lobos, professor Sérgio Barrenechea, e o professor da Escola de Cinema Darcy Ribeiro, Ruy Guerra.

Durante as saudações ao homenageado, muita emoção e  agradecimentos em forma de versos. Após a titulação, Gismonti disse que se sentia muito honrado e comentou sobre duas grandes aulas que recebeu na vida. Com a primeira, aprendeu que a música tem de estar sempre por perto. “É importante que a música esteja sempre viva e sentada ao meu lado”, destacou. E com a segunda, que a grandeza  está dentro de nós. “Isso me permitiu ver o mundo com mais clareza”, explicou.

O reitor Luiz Pedro San Gil Jutuca finalizou a cerimônia ressaltando a honra e o privilégio da UNIRIO em homenagear Egberto Gismonti: “Você engrandece mais ainda a nossa Universidade. A partir de agora, você tem o direito e o dever de frequentá-la. Seja muito bem-vindo!”

  Saiba mais sobre o Compositor

Egberto Gismonti nasceu em uma família de músicos em Carmo, interior do Estado do Rio de Janeiro, em 5 de dezembro de 1947. Filho de pai libanês e mãe italiana, começou a estudar piano aos 6 anos de idade, no conservatório de música de Nova Fribrugo. Ainda na infância e adolescência, em seus estudos já incluía flauta, clarinete, violão e piano. 

Interessou-se pela pesquisa da música popular e folclórica brasileira, chegando a passar uma temporada vivendo com os índios no Xingu. Realizou diversas experimentações com vários tipo de tons e sons, utilizando flautas indígenas, kalimas e sinos.

Em 1968, participou do III Festival Internacional da Canção, com sua composição O Sonho, interpretada pelo grupo Os Três Morais.

No mesmo ano, partiu para a Europa e estudou música dodecafônica com Jean Barraqué e análise musical com Nadia Boulanger, durante um ano e meio, atuou como arranjador e regente da orquestra de Marie Laforêt. Na ocasião, fez seu primeiro show internacional no Festival de San Remo, na Itália.  Em seguida, lançou o seu primeiro disco, Egberto Gismonti.

Nos anos 70, dedicou-se quase exclusivamente às pesquisas e à música instrumental. Durante o V Festival Internacional da Canção, em 1970, concorreu com  Mercador de Serpentes.

Lançou 15 álbuns nas décadas seguintes, entre 1977 e 1993, através de selos europeus, dez dos quais lançados no Brasil.

Por meio de seu selo, Carmo, recomprou o seu repertório e é um dos raros compositores brasileiros donos do próprio acervo.

Compositor Egberto Gismonti recebe título de Doutor Honoris Causa (Foto Comso) 


Acesso a Informação Capes CNPQ Imagem Rede Unirio