código do Google analytics Apoio à pesquisa básica — Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro
Portal do Governo Brasileiro

Webmail | Guia Telefônico |  Perguntas Frequentes |  Fale ConoscoOuvidoriaImprensa

Central de Conteúdos

Icone de um calendárioEventos

Ícone de um jornal dobradoPublicações

ícone periódicosPortal de Periódicos

Ícone de uma filmadora na cor branca com findo azulVídeos

Você está aqui: Página Inicial / Apoio à pesquisa básica

Apoio à pesquisa básica

por comunicacao — publicado 30/09/2019 13h55, última modificação 01/10/2019 17h16
Projeto idealizado por professor do Instituto Biomédico prevê a possibilidade de empresas e pessoas físicas destinarem parte do Imposto de Renda a gastos com ciência de base

“A pesquisa básica consiste em trabalhos experimentais ou teóricos desenvolvidos principalmente com a finalidade de adquirir novos conhecimentos sobre os fundamentos de fenômenos e fatos observáveis, sem considerar uma aplicação ou uso particular.” A definição é do Manual de Frascati (2002), documento utilizado como referência pelo Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações para elaboração de indicadores na área científica. É a essa modalidade de investigação que se volta o Projeto de Lei do Senado nº 758/2015, de autoria do senador Romário (Podemos-RJ), cuja proposta é permitir que pessoas e empresas deduzam do Imposto de Renda doações destinadas à pesquisa científica básica.

A ideia surgiu do descontentamento de um professor do Instituto Biomédico da UNIRIO, Rafael Braga, com a falta de investimentos na área. Quatro anos atrás, inconformado com a escassez de verbas de custeio para a manutenção das atividades em pequenos grupos de pesquisa dos quais faz parte, o docente enviou um e-mail ao gabinete do parlamentar com o esboço da proposta, que nomeou de “Adote um cientista”. A iniciativa deu resultado: atualmente, o projeto encontra-se em tramitação na Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática do Senado Federal, onde será debatido em audiência pública. Em entrevista, o professor Rafael Braga defende a aproximação dos cientistas à população, salienta a pesquisa básica como condição indispensável à inovação tecnológica e critica a concepção de que a modalidade consiste em um gênero científico de menor importância.

Qual o papel de um projeto como esse no atual contexto de corte de verbas na ciência e na tecnologia?
Quando tive a ideia para esse projeto, pensei numa dificuldade histórica, que é a verba de custeio. As agências de fomento impõem uma série de burocracias para utilização desse recurso. É o tipo de dinheiro utilizado para comprar reagente, materiais de consumo, manutenção de equipamentos etc. Acredito que muitos empresários já tenham tido a ideia de doar recursos para a pesquisa, mas não há como fazer isso sem colocar o dinheiro em fundos que, certamente, irão promover a pulverização dos recursos. O objetivo por trás do projeto é estimular os pesquisadores a irem a campo e convencerem as empresas a fazerem doações diretamente à pesquisa. Estimular essa busca certamente levará a uma maior aproximação da academia com a população. O distanciamento, alimentado em grande parte por nós, cientistas, criou uma barreira quase intransponível com a sociedade. É hora de mostrarmos a relevância do nosso trabalho para o país.

Qual a importância da pesquisa básica para a sociedade?
Atualmente nossos governantes usam a palavra “inovação” de maneira indiscriminada, sem esclarecer à população que não existe inovação sem a pesquisa básica. Entende-se por pesquisa básica aquela que, embora produza conhecimento sem uma aplicação imediata, serve de alicerce para a pesquisa aplicada ou para a inovação. Sempre que pergunto aos meus alunos o que eles entendem por pesquisa básica, a imensa maioria a associa com algum tipo de pesquisa de pouca relevância. Cabe a nós, cientistas, mudar essa mentalidade – que é muitas vezes estimulada por alguns governantes.

O relator do projeto, em parecer emitido no dia 5 de julho deste ano, aprovou a proposta e incluiu três emendas. Uma delas trata da não responsabilização do cientista quanto a possíveis irregularidades na origem do dinheiro arrecadado. Qual a sua opinião sobre esse tema?
Acho isso ótimo. Não faz sentido o cientista ser arrolado criminalmente, pois não somos nós que devemos atestar a idoneidade da empresa, e sim os órgãos fiscalizadores.

Outra emenda incluída no parecer sugere que o projeto beneficie também as pesquisas aplicadas. Seria possível fazer isso sem desvirtuar a proposta original, cujo mote é obter recursos para o desenvolvimento da pesquisa básica?
Esse é o motivo pelo qual estamos mobilizando o meio acadêmico e convidamos o professor Ildeu de Castro Moreira, Presidente da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), para compor a mesa na primeira audiência pública. O relator decidiu incluir essa emenda, que retira o ineditismo e objetivo da proposta. Precisaremos, na audiência e, principalmente, em contatos que estamos fazendo com os gabinetes dos 17 senadores que compõem a comissão, fazer com que entendam que essa emenda deve ser retirada. Não tenho dúvidas de que poderemos esclarecer melhor essa questão e voltar ao texto com a ideia original.

O projeto tem apoio da UNIRIO e das demais universidades públicas brasileiras?
Estamos nos mobilizando e iniciando conversas com diversos pesquisadores, reitores e dirigentes de sociedades científicas no sentido de divulgar o projeto de lei. É importante ressaltar o indispensável apoio do reitor da UNIRIO, Ricardo Cardoso, pois ele tem colaborado no sentido de estabelecer o contato com outros reitores e com as sociedades científicas.

As empresas e pessoas envolvidas poderão utilizar o financiamento de pesquisas para obter retorno de imagem por meio de publicidade?
Na ideia original, eu havia colocado no projeto a criação de um selo denominado “Empresa amiga da ciência”, que poderia ser utilizado pelos doadores por até dois anos após o financiamento. Infelizmente a ideia foi retirada do texto final, mas cabe ressaltar que irei solicitar a algum senador que a apresente como emenda.

Você acredita que a busca por captação de recursos poderia gerar algum tipo de disputa entre os pesquisadores?
Não creio que isso possa acontecer, pois minha ideia para o projeto de lei surgiu exatamente da necessidade de pequenos grupos de pesquisa, como o que eu coordeno, para dispor de baixos valores mensais para despesas de custeio. Para a maioria dos grupos de pesquisa no Brasil, constituídos por poucos pesquisadores, três mil reais mensais seriam um enorme estímulo à pesquisa, uma vez que seria possível comprar uma grande quantidade de insumos. Uma vez que esses pequenos grupos estejam livres para captar os recursos, não vejo motivo para uma disputa.

O projeto propõe alguma medida para evitar que o governo federal reduza os repasses obrigatórios para as instituições de ensino superior, sob a alegação de que os pesquisadores devam buscar recursos por conta própria?
Creio que governos que não apoiem a ciência sempre encontrarão maneiras de diminuir os repasses para essa atividade. Podemos ver o investimento em ciência minguando nos últimos anos, mesmo em um cenário onde não há como captar recursos da iniciativa privada por meio de renúncia fiscal. Em ciência, todo recurso é pouco. Minha proposta é usar o financiamento privado de empresas para uma rubrica de custeio, uma vez que as agências de fomento têm, em geral, disponibilizado poucos recursos, já que preferem liberar verbas para a compra de equipamentos. Isso leva à clássica situação de laboratórios bem-equipados que não possuem reagentes para funcionar.

(Gabriella Praça e Gibran Rocha)



Capes CNPQ Imagem Rede Unirio