código do Google analytics Pesquisa do Programa de Pós-graduação em Alimentos e Nutrição da UNIRIO pode contribuir para o tratamento da doença Celíaca — Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro

Webmail | Guia Telefônico |  Perguntas Frequentes |  Fale ConoscoOuvidoria Comunicação Institucional

Central de Conteúdos

icone de uma filmadora com auto falanteAudiovisual

Icone de um calendárioEventos

Ícone de um jornal dobradoPublicações

ícone periódicosPortal de Periódicos

icone repositorio: ilustração de fundo azul com conteúdo textual na cor brancaRepositório Hórus

Você está aqui: Página Inicial / Pesquisa do Programa de Pós-graduação em Alimentos e Nutrição da UNIRIO pode contribuir para o tratamento da doença Celíaca

Pesquisa do Programa de Pós-graduação em Alimentos e Nutrição da UNIRIO pode contribuir para o tratamento da doença Celíaca

por comunicacao — publicado 04/11/2019 10h10, última modificação 04/11/2019 10h12
Estudo apresenta propostas de identificação e quantificação de glúten nos produtos alimentícios

As alunas Thais Alves (doutoranda)  e Carolina Thomaz (mestranda), sob orientação da professora Mariana Larraz,  do Programa de Pós-graduação em Alimentos e Nutrição da UNIRIO (PPGAN/UNIRIO),  publicaram um artigo internacional, em parceria com o Instituto de Tecnologia de Karlsruhe (KIT/Alemanha). O artigo Abordagens modernas na identificação e quantificação de peptídeos imunogênicos em cereais por Cromatografia Líquida acoplada à Espectrometria de Massas apresenta propostas de identificação e quantificação de glúten nos produtos alimentícios.

 Essa quantificação é de fundamental importância para o  tratamento da doença celíaca (DC), pois os celíacos precisam manter uma dieta sem glúten ( que não exceda 20mg/kg de glúten).

 Confira o resumo do artigo:

 A doença celíaca (DC) é um distúrbio imunogênico que afeta o intestino delgado. É causada pela ingestão de glúten, uma rede de proteínas formada por prolaminas e glutelinas de cereais como trigo, cevada, centeio e, possivelmente, aveia. Para pessoas predispostas, o glúten apresenta epítopos capazes de estimular as células T, causando sintomas como náusea, vômito, diarreia, entre outros não relacionados ao sistema gastrointestinal.

O único tratamento para a DC é manter uma dieta sem glúten, que não exceda 20 mg / kg de glúten, o que geralmente é considerado a quantidade segura para os celíacos.  Devido a esse contexto, é muito importante identificar e quantificar o conteúdo de glúten dos produtos alimentícios. O ELISA é o método mais comumente usado para detectar traços de glúten nos alimentos. No entanto, ao detectar apenas prolaminas, os resultados dos testes ELISA podem ser subestimados.

Por esse motivo, são necessários ensaios mais confiáveis e sensíveis para melhorar a quantificação do glúten. Devido à alta sensibilidade e à capacidade de detectar quantidades vestigiais de peptídeos em matrizes complexas, as abordagens mais promissoras para verificar a presença de peptídeos de glúten nos alimentos são técnicas não imunológicas, como a cromatografia líquida acoplada à espectrometria de massa.

Diferentes metodologias usando essa abordagem foram desenvolvidas e descritas nos últimos anos, variando de análises não direcionadas e exploratórias a métodos direcionados e específicos, dependendo da finalidade do interesse. As análises não direcionadas visam definir o perfil proteômico da amostra, enquanto as análises direcionadas permitem a busca de peptídeos específicos, possibilitando sua quantificação.

 Esta revisão visa reunir e resumir as principais técnicas proteômicas usadas na identificação e quantificação de peptídeos de glúten relacionados à atividade da DC e alergias relacionadas ao glúten.

 Saiba mais:  https://www.frontiersin.org/articles/10.3389/fpls.2019.01470/abstract .


Capes CNPQ Imagem Rede Unirio