código do Google analytics Estudo revela perda de habitat de minhocas expostas a rejeitos da barragem de Brumadinho — Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro
Portal do Governo Brasileiro

Webmail | Guia Telefônico |  Perguntas Frequentes |  Fale ConoscoOuvidoriaImprensa

Central de Conteúdos

Icone de um calendárioEventos

Ícone de um jornal dobradoPublicações

ícone periódicosPortal de Periódicos

Ícone de uma filmadora na cor branca com findo azulVídeos

Você está aqui: Página Inicial / Estudo revela perda de habitat de minhocas expostas a rejeitos da barragem de Brumadinho

Estudo revela perda de habitat de minhocas expostas a rejeitos da barragem de Brumadinho

por Comunicação publicado 31/07/2020 20h05, última modificação 31/07/2020 20h07
Teste comportamental apontou fuga de mais de 80% dos indivíduos inseridos em meio tóxico

Minhocas expostas ao rejeitos da barragem que se rompeu em janeiro de 2019, em Brumadinho (MG), apresentam comportamento de fuga do ambiente contaminado. O fenômeno é apontado em nota técnica produzida no âmbito do Estudo sobre a biota aquática e comunidades ripárias, do qual participa o professor Fabio Veríssimo, do Instituto de Biociências da UNIRIO.

As amostras de solo superficial e de rejeitos da barragem utilizadas nos experimentos foram coletadas por uma equipe de pesquisadores nos dias 12 e 13 de junho de 2019. Os organismos utilizados foram minhocas da espécie Eisenia andrei, bioindicador internacionalmente padronizado para ensaios ecotoxicológicos.

O teste de fuga, de caráter comportamental, consistiu na exposição das minhocas a duas porções de solo, em um recipiente de dois litros, sendo uma delas composta apenas por solo natural e a outra contendo também rejeitos, em diferentes proporções. O resultado apontou uma taxa de evasão superior a 80% a partir da adição de 37,5% de rejeitos, indicando a perda de habitat das minhocas. “O organismo está se esquivando do local contaminado, e o efeito de fuga tem sido considerado como um dos indicadores mais sensíveis na avaliação de ambientes desfavoráveis ao desenvolvimento da biota do solo”, salienta o professor Veríssimo.

Reprodução prejudicada

Foram realizados também ensaios para avaliação de efeitos agudos e crônicos da exposição ao material. Embora não se tenha verificado aumento na taxa de letalidade dos animais, observou-se a tendência à redução do número de indivíduos juvenis em relação à quantidade de casulos. Segundo o estudo, essa diminuição pode indicar a produção de casulos inviáveis, ou a ocorrência de condições ambientais inadequadas à eclosão e à sobrevivência de jovens indivíduos.

De acordo com Veríssimo, a próxima fase da pesquisa se voltará para a investigação dos efeitos subletais. “As minhocas serão expostas por um período mais prolongado, sob concentrações mais baixas do rejeito que não promovam a fuga dos organismos, onde o efeito do contato continuo ao solo contaminado será avaliado por análises das enzimas de estresse oxidativo, níveis proteicos, e análise quantitava e qualitativa das células do sistema imune”, revela.

O estudo é coordenado pelo Núcleo Rogério Valle de Produção Sustentável, do Laboratório de Sistemas Avançados de Gestão de Produção (Sage) da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Ele integra o projeto Impactos ambientais da ruptura da barragem de rejeitos de Brumadinho nos primeiros doze meses após o desastre: avaliação da qualidade da água, de rejeitos, solos e sedimentos e da biota aquática e comunidades ripárias no Rio Paraopeba, conduzido pela Coppe/UFRJ com apoio da Fundação Coppetec e da Vale S/A.


Capes CNPQ Imagem Rede Unirio