Portal do Governo Brasileiro

Portal de IdentificaçãoWebmail |  Guia Telefônico |  Perguntas Frequentes |  Fale Conosco |  Mapa do Site

Você está aqui: Página Inicial / UNIRIO oferece novo curso de licenciatura em Ciências Sociais

UNIRIO oferece novo curso de licenciatura em Ciências Sociais

por Comunicacao UNIRIO publicado 05/12/2014 15h55, última modificação 05/12/2014 16h06

Quando o Sistema de Seleção Unificada (Sisu) abrir inscrições, em janeiro de 2015, os candidatos ao ingresso no ensino superior terão mais uma opção de curso na UNIRIO. Aprovada em 2013 pelo Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão (Consepe), a licenciatura em Ciências Sociais/Sociologia inicia suas atividades no primeiro semestre de 2015, com a oferta de 30 vagas. O corpo docente conta com 19 professores, sendo 10 do Departamento de Ciências Sociais, que deu origem ao curso, e os demais provenientes das áreas de Educação, Arquivologia e Turismo.

O caráter interdisciplinar é uma das marcas do curso, que terá quatro linhas de pesquisa: estudos urbanos; políticas públicas; memória social; e teoria social. Para possibilitar o acesso dos alunos a tecnologias de ensino, serão montados dois laboratórios: um em produção audiovisual e outro em produção de dispositivos pedagógicos.

“A proposta é oferecer um curso que se integre com outras unidades do Centro de Ciências Humanas e Sociais [CCH]”, revela o coordenador, João Paulo Macedo e Castro, que desde 2009 atua no Departamento de Ciências Sociais da UNIRIO.

Estágio diversificado

Com a habilitação em Sociologia, os egressos estarão aptos a lecionar a disciplina em turmas de educação básica. A principal inovação do curso são as 420 horas de estágio supervisionado, que terão início no quinto período letivo.

“A maioria das licenciaturas coloca o aluno em sala de aula, para que ele conheça a realidade das escolas e participe de eventos e reuniões”, observa João Paulo. “Já nós queremos ampliar esse estágio para fora do universo escolar, oferecendo ao estudante a possibilidade de trabalhar em outros ambientes, como ONGs, associações de moradores, empresas públicas ou privadas e organismos internacionais”.

A inovação beneficiará não apenas a inserção profissional dos egressos, como a própria transmissão de conhecimento. Segundo o coordenador, a ideia de inserir o licenciando em instituições de diversos gêneros parte da concepção de que um professor de ensino médio deve ter condições de oferecer a seus alunos um conhecimento mais “arejado, contemporâneo e interligado”, adquirido por meio do contato com as diversas realidades que movem o mundo.

“Não queremos formar professores que entrem em sala de aula apenas para repetir um conhecimento acumulado pelos livros que leram. Queremos profissionais que reúnam o conhecimento clássico da teoria com a experiência prática diversificada”, salienta João Paulo.

Para ele, a abertura irá proporcionar a integração entre a vivência e as matrizes teóricas e conceituais das ciências sociais, cujo objeto de estudo são os fenômenos da sociedade: grupos, visões de mundo, culturas, subculturas, práticas sociais, novas tecnologias, formas de comunicação, lutas pelos direitos, construções das identidades. “Com a diversificação, pretendemos inserir o graduando nesse universo contemporâneo, fazendo com que ele desenvolva a capacidade de reflexão, elaboração de ideias e leitura da realidade”, destaca. O estágio será feito simultaneamente a atividades teórico-conceituais, prolongando-se do quinto até o oitavo e último período do curso.

Projetos sociais

Em relação ao conteúdo curricular, a licenciatura irá oferecer diversas disciplinas voltadas para elaboração, execução e avaliação de projetos sociais, atividade que consiste em um dos campos de atuação do cientista social. Nesse caso, o profissional atua como um planejador social, desenvolvendo propostas de intervenções públicas para projetos governamentais, comunitários, movimentos sociais, instituições privadas ou organismos internacionais, entre outras organizações.

As atividades vão desde a elaboração de laudos periciais para demarcação de terras indígenas ou quilombolas até o diagnóstico das condições de determinada região para a implantação de um programa social que beneficie os habitantes locais. Nesse sentido, o curso visa capacitar o aluno para dominar instrumentos de pesquisa de campo e intervir em situações que exijam o parecer de um profissional da área.

Confira outras informações no site do curso.


Acesso a Informação Capes CNPQ