código do Google analytics Laboratório de Neurociências Translacional participa de pesquisa com biomarcadores para investigar Covid-19 — Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro
Portal do Governo Brasileiro

Webmail | Guia Telefônico |  Perguntas Frequentes |  Fale ConoscoOuvidoriaImprensa

Central de Conteúdos

Icone de um calendárioEventos

Ícone de um jornal dobradoPublicações

ícone periódicosPortal de Periódicos

Ícone de uma filmadora na cor branca com findo azulVídeos

Você está aqui: Página Inicial / Laboratório de Neurociências Translacional participa de pesquisa com biomarcadores para investigar Covid-19

Laboratório de Neurociências Translacional participa de pesquisa com biomarcadores para investigar Covid-19

por Comunicação publicado 15/05/2020 15h45, última modificação 17/05/2020 12h06
Projeto está registrado em plataforma internacional, que disponibiliza os dados para acesso aberto

Investigar os quadros de Covid-19 com evolução grave e a resposta terapêutica dos pacientes é o objetivo do projeto de biomarcadores do qual o Laboratório de Neurociências Translacional da UNRIO faz parte. Intitulado Biomarcadores e mecanismos patogênicos em pacientes infectados por Covid-19: correlação dos fenótipos clínicos, imunológicos e genéticos com a heterogeneidade dos desfechos, o projeto está registrado na plataforma internacional Covid-19 Host Genetics Initiative, que disponibiliza os dados para acesso aberto.

Segundo a coordenadora do laboratório, professora Soniza Alves-Leon, as manifestações de diferentes órgãos e sistemas funcionais nos pacientes incluídos no estudo serão monitoradas por equipe multidisciplinar. “Buscaremos biomarcadores genéticos e imunológicos por meio de um painel de microRNAs, citocinas e de polimorfismo de nucleotídeo únicos (SNPs) relacionados com as principais vias ativadas durante a resposta inflamatória da Covid-19, com mecanismos de invasão e resistência viral no hospedeiro e variantes que podem modificar a resposta às drogas”, revela.

Essa busca de biomarcadores associados ao acompanhamento longitudinal das manifestações clínicas e dos diferentes desfechos, o trabalho deve fornecer dados que irão auxiliar os pesquisadores na compreensão dos quadros com evolução grave e da resposta terapêutica. “Será importante correlacionar o espectro das manifestações clínicas com biomarcadores inflamatórios/imunológicos e de susceptibilidade genética do hospedeiro em vias relacionadas com a resposta imune, mecanismos de invasão e resistência viral, carga viral resposta terapêutica”, salienta a professora.


Capes CNPQ Imagem Rede Unirio