código do Google analytics Dramaturgia e cultura popular foram tema de mesa-redonda na manhã desta quinta-feira — Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro
Portal do Governo Brasileiro

Webmail | Guia Telefônico |  Perguntas Frequentes |  Fale ConoscoOuvidoriaImprensa

Central de Conteúdos

Icone de um calendárioEventos

Ícone de um jornal dobradoPublicações

ícone periódicosPortal de Periódicos

Ícone de uma filmadora na cor branca com findo azulVídeos

Você está aqui: Página Inicial / Dramaturgia e cultura popular foram tema de mesa-redonda na manhã desta quinta-feira

Dramaturgia e cultura popular foram tema de mesa-redonda na manhã desta quinta-feira

por comunicacao — publicado 24/10/2013 15h05, última modificação 25/10/2013 09h41
Evento fez parte das comemorações de 15 anos do Nepaa e da 11ª Semana de Integração Acadêmica

Dramaturgia e cultura popular foi o tema da mesa-redonda desta quinta-feira, 24, no evento comemorativo aos 15 anos do Núcleo de Estudos das Performances Afro-Ameríndias (Nepaa). Os professores Carlos Aranque e Jose Assad, ambos da Universidade Distrital Francisco José Caldas (Colômbia), e Oswald Barroso, da Universidade Federal do Ceará, e o ator, diretor e teatrólogo Amir Haddad, criador do grupo “Tá na Rua”, participaram do debate. O evento aconteceu no auditório Paulo Freire, no Centro de Ciências Humanas e Sociais (CCH).

Em sua fala, Haddad salientou que a dramaturgia só se constrói a partir do contato com o público, no momento mesmo em que é feita. “Dramaturgia é o que não está escrito, mas só se chega nela a partir da palavra escrita”, disse. O diretor lembrou que o espetáculo Édipo Rei se passa todo em frente a um palácio. “Quando o personagem evidencia seu drama para a plateia que está ali, ele o expõe para a coletividade, exigindo que a questão seja discutida em praça pública.”

O professor Jose Assad tocou na mesma questão. “Como escrever um texto para o público sem contar com o público?”, questionou. “Faço dramaturgia a partir da prática teatral da construção de sentido em uma cena, e não a partir de uma ideia pré-determinada.”

Ao comparar as estruturas da dramaturgia e do texto acadêmico, com hipótese, conflito com o “real” e, por fim, comprovação, Barroso evidenciou a fluidez da realidade. O professor abordou o uso de máscaras, questão a qual tem se dedicado a estudar. “Fala-se em ‘povos primitivos’ que usavam máscaras. Mas que ‘povo primitivo’ é esse?”, provocou. “São povos evoluidíssimos. Se há uma máscara primitiva, é a moderna: o disfarce”, acrescentou, observando que, além dos homens, plantas e animais utilizam o recurso. “A camuflagem de guerra, por exemplo, é um disfarce agressivo”, apontou.

Já Carlos Aranque fez reflexões sobre temas recorrentes da pesquisa em teatro, como os conceitos de “público”, “popular” e “populista”, e a ideia de dramaturgia, entendida como movimento, e não como uma escrita posterior e estática.

As comemorações de 15 anos do Nepaa integram as atividades da 11ª Semana de Integração Acadêmica, que acontece até esta sexta-feira, dia 25, na UNIRIO. Confira a programação completa.


Capes CNPQ Imagem Rede Unirio