código do Google analytics Coordenador da pós-graduação em HIV/Aids da UNIRIO comenta cura de criança infectada pelo vírus — Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro
Portal do Governo Brasileiro

Webmail | Guia Telefônico |  Perguntas Frequentes |  Fale ConoscoOuvidoriaImprensa

Central de Conteúdos

Icone de um calendárioEventos

Ícone de um jornal dobradoPublicações

ícone periódicosPortal de Periódicos

Ícone de uma filmadora na cor branca com findo azulVídeos

Você está aqui: Página Inicial / Coordenador da pós-graduação em HIV/Aids da UNIRIO comenta cura de criança infectada pelo vírus

Coordenador da pós-graduação em HIV/Aids da UNIRIO comenta cura de criança infectada pelo vírus

por comunicacao — publicado 05/03/2013 00h00, última modificação 18/06/2015 10h16

O coordenador do Programa de Pós-Graduação em HIV/Aids da UNIRIO, Fernando Ferry, comentou nesta segunda-feira (04/03) o anúncio do primeiro caso de cura funcional em uma criança infectada pelo vírus HIV, descrito por pesquisadores do Centro Infantil Johns Hopkins e das universidades de Mississippi e Massachusetts, nos Estados Unidos.

Segundo o prof. Ferry, existem dois tipos de cura: a estéril, em que há uma erradicação completa de todos os vestígios do HIV no organismo, e a funcional, quando a presença de vírus no corpo é mínima e indetectável por testes clínicos padrão, mas perceptível por métodos ultrassensíveis.

“Essa criança está com cura funcional. O teste é negativo, e a carga viral, com os métodos convencionais, não consegue ser identificada”, disse Ferry em entrevista ao Jornal Nacional, da TV Globo.

A criança descrita no estudo nasceu de uma mãe infectada pelo HIV e recebeu tratamento com drogas antirretrovirais combinadas 30 horas após o nascimento. Testes mostraram a diminuição progressiva de vírus no sangue do bebê, até atingir os níveis não detectáveis 29 dias após o nascimento. O tratamento foi interrompido quando a criança completou 18 meses, e, dez meses depois, a presença de HIV no sangue permaneceu sem ser detectada.

Para o prof. Fernando Ferry, caso o procedimento seja comprovado em outras crianças, será um grande avanço no tratamento de bebês nascidos com o HIV. Ele ressalta, no entanto, que o mais importante ainda é a prevenção e o tratamento das gestantes infectadas pelo vírus, com acompanhamento específico durante o pré-natal.

O anúncio foi comemorado pelo diretor executivo do Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/Aids (Unaids), Michel Sidibé. “Esta notícia nos dá uma grande esperança de que a cura para o HIV em crianças é possível e pode nos trazer um passo mais perto de uma geração sem Aids”.


Capes CNPQ Imagem Rede Unirio