Portal UnirioGuia Telefônico Contatos
Você está aqui: Página Inicial / Dissertações Defendidas em 2016 / A TEATRALIDADE DE UM NÃO-TEATRO: A EXPERIÊNCIA ESTÉTICA COMO INSTRUMENTO DE EMANCIPAÇÃO DO ESPECTADOR”

A TEATRALIDADE DE UM NÃO-TEATRO: A EXPERIÊNCIA ESTÉTICA COMO INSTRUMENTO DE EMANCIPAÇÃO DO ESPECTADOR”

Discente: JORDANA SEIXAS DA SILVA ALEXANDRE

Resumo:

Diante das rupturas geradas ao longo do século XX no campo das artes plásticas, trata-se aqui de investigar como a reformulação do conceito da obra de arte e do seu lugar de exposição fez com que objetos e espectadores adquirissem a autonomia de atores em cena, contrapondo-se desse modo à imobilidade e à contemplação do espectador diante da obra de arte e problematizando as especificidades e os modos de duas linguagens artísticas de interesse para o respectivo trabalho: as artes visuais e as artes cênicas. A presente pesquisa investiga nessa nova arte que se apresenta bem como nas representações sociais do cotidiano, elementos implícitos portadores de [teatralidade] conceito oriundo da cena teatral. Ou, melhor dizendo, uma dramaturgia do silêncio que se potencializou fora dos palcos e se configurou em uma nova relação entre observador e coisa observada, desvelando novos espaços de representação. Na busca pelo reconhecimento da teatralidade em um não-teatro, o estudo objetiva traças analogias entre as propostas do mestre ignorante de Jacques Ranciére e o novo relacionamento estabelecido entre o espectador e a teatralidade, reconhecendo um forte processo pedagógico nascido na vivencia da experiência estética e que contribui no ponto central de maior interesse do trabalho.: a emancipação do espectador.

Palavras-chave: teatralidade;experiência;espectador emancipado;educação

 

Abstract:

Before the breaks generated during the twentieth century in the field of fine arts, it is here to investigate how the reformulation of the concept of work of art and its place of exhibition made objects and spectators acquire the autonomy of actors on the scene, opposing to thereby immobility and contemplation of the viewer in front of the artwork and questioning the specifics and ways of two artistic languages of interest to their work: the visual arts and the performing arts. This research investigates this new art is presented as well as in everyday social representations, elements implicit carries [ theatricality] conceptarises from the theater scene. Or rather, a quiet drama that potentiated offstage and is set in a new relationship between observer and observed, unveiling new spaces of representation. In the quest for recognition of theatricality in a non-theater, the study aims to draw analogies between the proposals of the ignorant master Jacques Ranciere and the new relationship established between the viewer and the theatricality, recognizing a strong pedagogical process born in the experience of aesthetic experience and contributing at the center point of greates interest of the work: the emancipation of the viewer.

Keywords: theatricality; experience; emancipated viewer; education