Ferramentas Pessoais

Você está aqui: Página Inicial / Solidago chilensis Meyen

Solidago chilensis Meyen

Família: ASTERACEAE

Nome científico: Solidago chilensis Meyen

Nome popular: arnica-brasileira

 

Solidago chilensis - Organicidade - Canto das Flores 1

Solidago chilensis - Organicidade - Canto das Flores 2

Solidago chilensis - Organicidade - Canto das Flores 3

Fotos: Alice Worcman - Organicidade

Solidago chilensis - Canto das Flores 4.jpg

Solidago chilensis - Canto das Flores 7

Solidago chilensis - Canto das Flores 8

Solidago chilensis - Canto das Flores 6

Solidago chilensis - Canto das Flores 5

Solidago chilensis - Canto das Flores 9

Solidago chilensis - Canto das Flores 10

Fotos: Ricardo Cardoso Antonio

Barra exsicata

Para o PDF da etiqueta, clique aqui.

Solidago chilensis - Exsicata corrigida

Foto: Matheus Gimenez Guasti

Barra verde - características

Solidago chilensis, conhecida como arnica-brasileira, é uma espécie nativa da América do Sul, ocorrendo em quase todo o Brasil e ainda na Argentina, Chile, Bolívia e Uruguai, e introduzida em Portugal, Porto Rico e Peru. Utilizada como ornamental, se destaca fundamentalmente pelos usos dentro da medicina tradicional como substituta da arnica-verdadeira e com propriedades terapêuticas reconhecidamente comprovadas.

A arnica-brasileira se apresenta como uma erva perene, cespitosa e rizomatosa, podendo atingir até 1,5 a 2 metros de altura. Seu caule é delgado, ereto e muito folhoso. Suas folhas são sésseis, de textura áspera, formato tipicamente lanceolado e margem serrilhada, com filotaxia alterna-espiralada. As flores estão dispostas em capitulescências: quando terminais, os capítulos estão em panículas ascendentes, quando sub-terminais, formam capitulescências cimosas escorpioides. Cada capítulo é precedido por duas séries de brácteas que protegem as flores do raio, que são femininas e possuem corola ligulada de cor amarelo-ouro, e as flores do disco, hermafroditas e com corola tubulosa, também amarela. Os frutos são secos, indeiscentes, com pappus de cor paleácea.

Apesar de ter ampla distribuição e ser uma espécie ruderal, frequentemente encontrada em beiras de estradas, em terrenos baldios, gramados e próxima a rios e locais úmidos, a arnica-brasileira é cultivada como ornamental, sendo muito requisitada como flor de corte por conta da sua resistência, durabilidade e pelo belo efeito que sua inflorescência amarela proporciona na montagem de arranjos florais, buquês e ornamentação de ambientes. A característica mais marcante, no entanto, é sua aplicação terapêutica.

Utilizada pela medicina tradicional em substituição à arnica verdadeira, Arnica montana L.1 no tratamento de escoriações, contusões, distensões e dores musculares, a arnica-brasileira, é uma planta medicinal que integra a Relação Nacional de Plantas Medicinais de Interesse ao SUS (RENISUS) do Ministério da Saúde. Suas propriedades analgésicas, anti-inflamatórias, anti-microbianas, antifúngicas, anti-oxidantes, anti-agregante plaquetária, citotóxicas e antiproliferativas são cientificamente comprovadas. Mesmo com tantos benefícios, é uma planta recomendada, até o momento, apenas para uso externo. Há ainda outra arnica, também na família Asteraceae, a espécie Lychnophora ericoides Mart.2, popularmente chamada de arnica-brasileira, também medicinal mas hepatotóxica, daí a necessidade fundamental da correta identificação taxonômica das espécies vegetais.

O nome popular, arnica, origina-se do nome do gênero Arnica, do grego ἀρνᾰκίς (arnakísque significa pele de carneiro; foi dado à arnica-verdadeira devido à maciez de suas folhas cobertas por finos tricomas. A arnica-brasileira passou a ser chamada assim por possuir propriedades medicinais similares às da arnica-verdadeira. Por ser muito conhecida e eficaz na medicina tradicional, Solidago chilensis possui outros nomes populares, sempre relacionados à cor e à forma de sua inflorescência. Na América do Norte, juntamente com outras espécies do gênero, é chamada de goldenrod ou yellow stick (vara dourada); na Argentina e Chile, é conhecida por "vara amarilla" ou "lanceta" (pequena lança). No Brasil, é ainda denominada espiga-de-ouroerva-lancetaarnica-de-terreiroarnica-do-campo, entre outros.

O nome de seu gênero, Solidago, provém do latim solidatum, que significa "tornar sólido", "consolidar", "endurecer", em alusão às suas propriedades curativas no tratamento de lesões musculares. O epiteto  específicochilensis, é um epíteto geográfico e se refere ao local de ocorrência da espécie na sua descrição, no caso, o Chile. A etimologia do nome deste país é incerta e bastante controversa, com teorias de que seja proveniente de palavras dos idiomas falados pelos povos indígenas da região, como os Quechua, Mapuche ou Aymara. Estas palavras seriam chilitchili ou tili com significado semelhante a "profundezas" em referência ao Vale do Aconcágua, ou com o poético significado de "onde a terra acaba ou se esgota", em referência ao Chile ser o país mais ao sul e ao oeste da América do Sul. Há ainda outras palavras com escrita e sonoridade semelhantes, significando "neve" ou "frio".

Solidago chilensis. A bela lança dourada. A erva com flavas flores que curam. Mesmo ocorrendo em grande parte da América do Sul, carrega no seu nome a origem chilena: o país da Cordilheira Andina, de recortes e vales profundos, do frio, de Salvador Allende e, de acordo com os seus povos indígenas, "onde a terra se acaba". 

Para nós do HUNI, Solidago chilensis é o último capítulo desta história chamada "Coleção Didática do Canto das Flores". Mais do que isso, ela representa o final de uma jornada, iniciada em 2017, diante dos belos Arcos da Lapa, e significa: "aqui termina nossa coleção". 

 

Autoria: Sandra Zorat Cordeiro

 

NOTAS

 

1 - Arnica montana L. (Asteraceae) é uma espécie nativa da Europa e possui uma infinidade de aplicações medicinais, principalmente aquelas relacionadas a contusões, entorses e distensões musculares, com eficácia comprovada cientificamente.

Arnica montana - Jason Grant

Foto: Jason Grant / Creative Commons BY-NC 

 

2 -  Lychnophora ericoides Mart. (Asteraceae) é uma espécie endêmica do Brasil, também conhecida popularmente como arnica-brasileira ou arnica-do-cerrado, utilizada pela medicina tradicional e com propriedades medicinais analgésicas e anti-inflamatórias comprovadas. A - aspecto geral da planta, B - detalhe da inflorescência

Lychnophora ericoides - João Vitor Andriola A

Foto: João Vitor Andriola / Creative Commons By-NC

Lychnophora ericoides - Horto Didático UFSC B

Foto: Horto Didático HU/ CCS/ UFSC

 

* Nossos agradecimentos:

  • à Alice Worcman, do Organicidade, pelas belíssimas fotos de Solidago chilensis na Fundição Progresso.

 

 

Barra verde - referências bibliográficas

Atlas Etimológico - A origem do nome dos países. Revista Super Interessante Online. Publicado em 2020. Disponível em: https://super.abril.com.br/especiais/atlas-etimologico/. Acesso em: 20 Dez. 2020.

Bastos, B.P.M. Produção e controle de qualidade da tintura de Solidago chilensis Meyen, espécie constante no memento fitoterápico da SMS/ RJ. 2017. Monografia (TCC de Especialização em Gestão da Inovação em Fitomedicamentos). Instituto de Tecnologia em Fármacos/ Farmanguinhos, Fundação Oswaldo Cruz, Rio de Janeiro.

Borges, R. Solidago in Flora do Brasil 2020 em construção. Jardim Botânico do Rio de Janeiro. Disponível em: http://reflora.jbrj.gov.br/reflora/floradobrasil/FB5503. Acesso em: 17 Dez. 2020. 

Gastaldi, B.; Catalán, C.A.N.Silva-Sofrás, F.M.González, S.BSolidago chilensis Meyen (Asteraceae), a medicinal plant from South America: a comprehensive review: ethnomedicinal uses, phytochemistry and bioactivity. Boletín Latinoamericano y del Caribe de Plantas Medicinales y Aromáticas, v. 17, n. 1, p. 17-29, 2018

GIBF - Global Diversity Information Facility. Solidago chilensis Meyer. Disponível em: https://www.gbif.org/pt/species/5389072. Acesso em: 17 Dez. 2020.

Laphitz, R.M.L. The genus Solidago L. (Astereae, Asteraceae) in South America and related taxa in North America. 2009. Dissertação (Mestrado em Biologia). University of Waterloo, Ontario, Canadá.

Lorenzi, H. Plantas para jardim no Brasil – herbáceas, arbustivas e trepadeiras. 2ª. ed., São Paulo: Instituto Plantarum de Estudos da Flora. 2015.

Miguel, S. A arnica desvendada. Jornal da USP. Publicado em 2007. Disponível em: https://www.usp.br/jorusp/arquivo/2007/jusp790/pag06.htm. Acesso em: 19 Dez. 2020.

Moreira, H.J.C.; Bragança, H.B.N. Manual de identificação de plantas infestantes - Hortifrúti. São Paulo: FMC Agricultural Products. 2011. 

Origem da Palavra. Chile. Disponível em: https://origemdapalavra.com.br/palavras/chile/. Acesso em: 20 Dez. 2020.

Prudêncio, R. Levantamento etnofarmacológico Solidago chilensis Meyen. 2012. Monografia (Especialização em Ecologia e Manejo de Recursos Naturais). Universidade do Extremo Sul Catarinense - UNESC, Criciúma, SC.

Quattrocchi, U. CRC World Dictionary of Medicinal and Poisonous Plants: Common Names, Scientific Names, Eponyms, Synonyms, and Etymology. Reimpressão. Boca Raton: CRC Press. 2012.

Roque, N.; Bautista, H. Asteraceae - Caracterização e Morfologia Floral. Salvador: Editora UFBA. 2008.   

Valverde, S.S,; Oliveira, T.B.; Souza, S.P. Solidago chilensis Meyen (Asteraceae). Revista Fitos, v. 7, n. 3, p. 131-136, 2012.

N°. de acessos: contador de visitas
Menu

Página Inicial

Histórico

Patrono  Símbolo verde claro

 

Acervo

- Coleção Claudia Bove

Serviços

Equipe

Colaboradores

Parcerias

Projetos de Extensão   

- Canto das Flores ONLINE  

     Logo Coleção Didática - definitivo

Fale conosco

Divulgação

HUNI na mídia

Eventos

Agradecimentos

 

ACESSO AO ACERVO HUNI

>>> JABOT <<<

     Logo HUNI sem nome 

>>> SPECIES LINK <<<

     Logo HUNI sem nome

Nossas mídias sociais: 

Logo Facebook   Logo Instagram

 

Apoio

Logo FAPERJ

 

 

 

 

Colaboração

              JBRJ

 INCT

SpeciesLink