Ferramentas Pessoais

Você está aqui: Página Inicial / Impatiens walleriana Hook.f.

Impatiens walleriana Hook.f.

Família: BALSAMINACEAE

Nome científico: Impatiens walleriana Hook.f.

Nome popular: maria-sem-vergonha, beijo-turco, não-me-toques

 

Impatiens walleriana - Canto das Flores 1

Impatiens walleriana - Canto das Flores 2

Fotos: Sandra Zorat Cordeiro

Impatiens walleriana - Canto das Flores 3

Impatiens walleriana - Canto das Flores 5

Impatiens walleriana - Canto das Flores 4

Fotos: Ricardo Cardoso Antonio

Barra exsicata

Para o PDF da etiqueta, clique aqui.

Impatiens walleriana - exsicata

Foto: Matheus Gimenez Guasti

Barra verde - características

Nativa da África, amplamente cultivada no mundo e naturalizada em diversas regiões, a Impatiens walleriana, conhecida no Brasil como maria-sem-vergonha, beijo-turco ou beijo-de-frade, apresenta-se como uma erva perene, muito ramificada, atingindo até 50 cm de altura; possui caule suculento, com folhagem escura, de textura membranácea e de filotaxia alterna e espiralada. Suas lindas flores com tamanho e coloração variáveis (branca, rosa, laranja, vermelha, roxa), que justificam sua ampla utilização no âmbito ornamental, ocorrem em inflorescências pauciflorastipo cimeira. As flores da Impatiens possuem uma característica peculiar: uma de suas sépalas foi transformada em um nectário longo e tubiforme, denominado espora (ou calcar), produzindo e armazenando néctar, com intuito de atrair polinizadores. Seu fruto é tipo cápsula fusiforme, carnoso e deiscente, com pequenas sementes marrons. 

O fácil crescimento da Impatiens é responsável por um de seus nomes populares, maria-sem-vergonha, responsável também pela sua desvalorização no mercado de flores, gerando a busca por cultivares de cores diferentes e mais atraentes. Hoje em dia, a Impatiens walleriana possui dezenas de cultivares, de inúmeras cores e que florescem praticamente o ano todo, sendo muito usada na composição de jardins, formando canteiros multicoloridos, com efeito visual muito atraente. Apesar da sua origem africana, sua ampla utilização ornamental, alta capacidade reprodutiva e fácil adaptação às condições ambientais das regiões sul e sudeste brasileiras, principalmente, acabaram por transformá-la em uma planta invasora, muitas vezes daninha, por crescer em áreas agrícolas e apresentar alta atividade alelopática inibidora. 

Suas propriedades terapêuticas já eram conhecidas na medicina Unani (de origem persa) e na Ayurveda (de origem indiana), sendo usada até os dias de hoje. A planta inteira é utilizada como emético, diurético e catártico. Suas folhas e caules triturados são utilizados como cataplasma, em feridas e queimaduras. Possui ainda aplicações contra dores de garganta, tosse e asma. Suas folhas e raízes secas, no entanto, devem ser administradas com cuidado, pois possuem propriedades abortivas. 

Embora poucos saibam, a Impatiens walleriana é uma PANC: suas flores são comestíveis, podendo ser consumidas cruas ou após cozimento, sendo utilizadas em saladas e bebidas. Suas folhas devem ser evitadas, pois possuem ráfides de oxalato de cálcio que podem ferir a boca. Suas sementes também são consumidas, cruas ou torradas, sendo usadas em pães ou saladas.

O nome do gênero, Impatiens, é derivado do latim e significa impaciente, uma referência à deiscência repentina, violenta e explosiva de seu fruto: ao amadurecer, o fruto se rompe, de modo bastante intenso, como um "beijo", liberando inúmeras sementes pequenas de coloração amarronzada, lançando-as para longe. Basta um leve toque para que o fruto se rompa bruscamente, vindo daí um outro nome popular pelo qual a Impatiens é conhecida: não-me-toques. Já seu epíteto específico, walleriana, é uma homenagem ao inglês Horace Waller (1833-1896), missionário, escritor e ativista político anti-escravagista, que trabalhou na África Central e lá realizou inúmeras coletas de espécimes botânicos e zoológicos, colaborando com o inventário da biodiversidade daquele local, pouco conhecida e acessível na época. 

Hoje em dia, a Impatiens está presente no mundo todo, enfeitando jardins, colorindo paisagens e invadindo outros espaços... Por mais que seu nome popular diga não-me-toques, a grande ironia é seu nome em latim: Impatiens... Essa plantinha de aspecto tão atrativo e de dispersão tão pitoresca, está impaciente para ser tocada para, finalmente, explodir num beijo.  

Texto: Aíres Vanessa Cavalcante dos Santos e Sandra Zorat Cordeiro

Barra verde - referências bibliográficas

Flora of Mozambique. Impatiens walleriana Hook. f. Disponível em https://www.mozambiqueflora.com/speciesdata/species.php?species_id=137630. Acesso em 11 Fev. 2020.

GIBF - Global Biodiversity Information Facility. Impatiens walleriana Hook.f. Disponível em https://www.gbif.org/species/2891772. Acesso em 11 Fev. 2020.

Hassemer, G. Balsaminaceae in Flora do Brasil 2020 em construção. Jardim Botânico do Rio de Janeiro. Disponível em: http://reflora.jbrj.gov.br/reflora/floradobrasil/FB130841. Acesso em: 17 Fev. 2020.

Kinupp, V.F., Lorenzi, H. (2017) Plantas Alimentícias Não Convencionais (PANC) no Brasil. Reimpressão, São Paulo: Instituto Plantarum de Estudos da Flora.

Lorenzi, H. (2015) Plantas para jardim no Brasil – herbáceas, arbustivas e trepadeiras. 2ª. ed., São Paulo: Instituto Plantarum de Estudos da Flora.

Mari Mut, J.A. Etimología de los géneros de plantas de Puerto Rico. 2ª ed. Disponível em https://archive.org/details/etimologiaed2. Acesso em 11. Fev. 2020.

Moreira, H.J.C.; Bragança, H.B.N. (2011) Manual de identificação de plantas infestantes - Hortifrúti. São Paulo: FMC Agricultural Products.

Quattrocchi, U. (2012) CRC World Dictionary of Medicinal and Poisonous Plants: Common Names, Scientific Names, Eponyms, Synonyms, and Etymology. Reimpressão. Boca Raton: CRC Press. 2012.

Souza, V.C. (2012). Balsaminaceae. InWanderley, M.G.L.; Shepherd, G.J.; Giulietti, A.M. Flora Fanerogâmica do Estado de São Paulo. v. 2, p. 51. Disponível em: https://www.infraestruturameioambiente.sp.gov.br/institutodebotanica/wp-content/uploads/sites/235/2016/06/FFESP-Volume-II_06_24.pdf. Acesso em 17 Fev. 2020.

Souza, V. C.; Lorenzi, H. (2012) Botânica Sistemática - Guia ilustrado para identificação de Angiospermas da flora brasileira, baseado em APG III. Nova Odessa: Instituto Plantarum.

contador free
Menu

Página Inicial

Histórico

Patrono

Acervo

- Coleção Claudia Bove

Serviços

Equipe

Colaboradores

Parcerias

Projetos de Extensão   

- Canto das Flores ONLINE  Novo 3

     Logo Coleção Didática - definitivo

Fale conosco

Divulgação

HUNI na mídia

Eventos

Agradecimentos

Acesso do acervo HUNI

 >>> JABOT <<<

            Logo HUNI sem nome 

>>> SPECIES LINK <<<

           Logo HUNI sem nome

 Apoio

Logo FAPERJ






Colaboração                           

JBRJ

 

 INCT

SpeciesLink