Ferramentas Pessoais

Você está aqui: Página Inicial / Heliconia psittacorum L.f.

Heliconia psittacorum L.f.

Família: HELICONIACEAE

Nome científico: Heliconia psittacorum L.f.

Nome popular: helicônia

 

Heliconia psittacorum - Canto das Flores 1

Heliconia psittacorum - Canto das Flores 2

Heliconia psittacorum - Canto das Flores 3

Heliconia psittacorum - Canto das Flores 4

Fotos: Ricardo Cardoso Antonio

Barra exsicata

Para o PDF da etiqueta, clique aqui.

Heliconia psittacorum - exsicata

Foto: Matheus Gimenez Guasti

Barra verde - características

Heliconia psittacorum, ou simplesmente helicônia. Esta espécie, de beleza ímpar, é nativa do Brasil, embora não endêmica, ocorrendo ao longo dos trópicos, principalmente no continente americano, em regiões da Floresta Amazônica e Mata Atlântica. Apresenta-se como uma erva, com rizoma, de onde partem inúmeros pseudocaules, caracterizando seu crescimento cespitoso. As folhas da helicônia são oval-lanceoladas ou oblongas, com ápice acuminado, de textura coriácea e brilhantes. As inflorescências são terminais, eretas, com pedúnculo avermelhado na porção distal. Possui brácteas naviculadas, vermelho-alaranjadas, vistosas, brilhantes e cerosas. Suas flores surgem nas axilas das brácteas, num tipo de inflorescência denominada cíncino. As flores possuem perianto amarelo ou laranja-avermelhado, dando ao conjunto da inflorescência um efeito extremamente ornamental, fazendo de Heliconia psittacorum uma espécie muito requisitada na composição de jardins e projetos paisagísticos. Por ser um dos mais importantes táxons polinizados por beija-flores, a helicônia costuma atrair essas aves de beleza e graciosidade singulares aos locais onde é cultivada. A helicônia possui inflorescências com alta durabilidade e boa tolerância ao calor, características que justificam sua comercialização e utilização como flor de corte em todo o mundo.

O nome do gênero, Heliconia, foi dado por Linnaeus, em 1771, como uma referência ao Monte Hélicon, localizado na região sul da Grécia, próximo ao Golfo de Corinto e ao norte da Península do Peloponeso. Na Mitologia Grega, o Monte Hélicon era o local de morada das Musas, filhas de Zeus com Mnemósine (deusa da memória), que possuíam a capacidade de inspirar a criação artística ou científica a quem bebesse das águas das fontes que ali jorravam. Apesar das helicônias constituirem, atualmente, a família Heliconiaceae como gênero único, elas já pertenceram à família Musaceae, que compreende as bananeiras, compondo o gênero Musa. E é justamente aí que entra a controvérsia na literatura...

A ligação taxonômica entre os gêneros Heliconia e Musa parece indicar claramente uma ligação etimológica, baseada na mitologia greco-romana, mas não é bem assim... Alguns autores contestam essa versão, citando que o gênero Musa é uma homenagem de Linnaeus a Antonius Musa, botânico grego e médico de Augusto, o primeiro Imperador Romano, Caio Júlio César. Outras fontes citam que Musa vem de mauz, o nome dado à banana no idioma árabe. 

Já em relação ao epíteto específicopsittacorum é uma referência à Psittacidae, a família das araras e papagaios: as cores e formatos das brácteas e flores da helicônia têm semelhança com a cores e plumagens destas aves, vindo justamente daí o seu outro nome popular: helicônia-papagaio.

Autoria: Sandra Zorat Cordeiro

Barra verde - referências bibliográficas

Castro, C.E.F.; Gonçalves, C.; Moreira, S.R.; Faria, O.A. Helicônias brasileiras: características, ocorrência e usos. Ornamental Horticulture, v. 17, n. 1, p. 5-24, 2011.

Gonzaléz, J. Explicación etimológica de las plantas de La Selva. Flora Digital de la Selva - Organización para Estudios Tropicales. Acesso em: 01 Nov. 2019. Disponível em: https://sura.ots.ac.cr/local/florula4/docs/ETIMOLOGIA.pdf

Heliconiaceae in Flora do Brasil 2020 em construção. Jardim Botânico do Rio de Janeiro. Disponível em: <http://reflora.jbrj.gov.br/reflora/floradobrasil/FB7962>. Acesso em: 05 Nov. 2019.

Sultana, N.; Hassan, M.A. The genus Heliconia cultivated in Bangladesh. Bangladesh Journal of Plant Taxonomy, v. 15, n. 2, p. 141-153, 2008.

Terao, D.; Carvalho, A.C.P.P.; Barroso, T.C.S.F. (2005) Flores Tropicais. Brasília: EMBRAPA.

Tomlinson, P.B. An anatomical approach to the classification of the Musaceae. Journal of the Linnean Society of London, Botany, v. 55, n. 364, p. 779–809, 1959.

contador de acesso grátis
Menu

Página Inicial

Histórico

Patrono

Acervo

- Coleção Claudia Bove

Serviços

Equipe

Colaboradores

Parcerias

Projetos de Extensão   

- Canto das Flores ONLINE  Novo 3

     Logo Coleção Didática - definitivo

Fale conosco

Divulgação

HUNI na mídia

Eventos

Agradecimentos

Acesso do acervo HUNI

 >>> JABOT <<<

            Logo HUNI sem nome 

>>> SPECIES LINK <<<

           Logo HUNI sem nome

 Apoio

Logo FAPERJ

 

 

 

 

 

Colaboração                           

JBRJ

 

 INCT

SpeciesLink