Você está aqui: Página Inicial / Asystasia gangetica (L.) T.Anderson

Asystasia gangetica (L.) T.Anderson

Família: ACANTHACEAE

Nome científico: Asystasia gangetica (L.) T.Anderson

Nome popular: coromandel / espinafre-indiano

 

Asystasia gangetica Canto das Flores 1

Foto: Sandra Zorat Cordeiro

Asystasia gangetica Canto das Flores 2

Asystasia gangetica Canto das Flores 3

Asystasia gangetica Canto das Flores 4

Fotos: Ricardo Cardoso Antonio

Barra exsicata

Para o PDF da etiqueta, clique aqui

Asystasia gangetica - Exsicata

Foto: Matheus Gimenez Guasti

Barra verde - características

Nativa do continente asiático, a Asystasia gangetica, também conhecida como coromandel, se apresenta como uma erva perene de folhagem escura e belas flores branco-amareladas com manchas roxas, com grande aplicação ornamental, já que floresce durante o ano inteiro e promove intensa atração de polinizadores, como abelhas e borboletas. O nome Asystasia origina-se do grego, significando “irregular”, “inconsistente”, uma referência aos lacínios, que são as bordas recortadas e livres das pétalas das flores, que possuem formato de sino. Já o nome gangetica refere-se à área de distribuição natural desta espécie, a Bacia Indo-Gangética, compreendendo a área das bacias hidrográficas do Rio Indo e do Rio Ganges, no Norte da Índia, aos pés do Himalaia, na Ásia. Conhecida como prímula-do-ganges, é também denominada nos idiomas marata e sânscrito como Lavana valli, que significa trepadeira resistente ao sal. Por ter um crescimento rápido e difícil de controlar, pode ser vista, por vezes, como uma espécie daninha.

Esta espécie é utilizada, na medicina tradicional, no tratamento de asma, hipertensão e diabetes, sendo ainda bactericida, anti-inflamatória e anti-helmíntica. Por possuir aplicações na culinária, esta espécie é considerada uma PANC (planta alimentícia não convencional); suas folhas são consumidas refogadas, como o espinafre, daí, um de seus nomes populares no Brasil: espinafre-indiano. As flores são consumidas cruas em saladas doces ou salgadas.

Texto: Sandra Zorat Cordeiro

Barra verde - referências bibliográficas

Acanthaceae in Flora do Brasil 2020 em construção. Jardim Botânico do Rio de Janeiro. Disponível em: http://reflora.jbrj.gov.br/reflora/floradobrasil/FB21647. Acesso: 06 Ago. 2019.

Blume, C.R. Bijdragen tot de flora van Nederlandsch Indië, 14: 796. 1826

Flowers of India. Ganges primrose. Disponível em http://www.flowersofindia.net/. Acesso: 27 set. 2018.

Hussain, A.G., Normah, M.N. & Hussin, K. (2015). Nature’s Medicine: A collection of Medicinal Plants from Malaysia’s Rainforest, Volume 1. Landskap Malaysia, Malaysia. pp. 374.

Kinupp, V.F., Lorenzi, H. (2017) Plantas Alimentícias Não Convencionais (PANC) no Brasil. Reimpressão, São Paulo: Instituto Plantarum de Estudos da Flora.

Lorenzi, H. (2015) Plantas para jardim no Brasil – herbáceas, arbustivas e trepadeiras. 2ª. ed., São Paulo: Instituto Plantarum de Estudos da Flora.

Quattrocchi, U. (2012) CRC World Dictionary of Medicinal and Poisonous Plants: Common Names, Scientific Names, Eponyms, Synonyms, and Etymology. Reimpressão. Boca Raton: CRC Press. 2012.

Menu

Página Inicial

Histórico

Patrono

Acervo

- Coleção Claudia Bove

Serviços

Equipe

Colaboradores

Parcerias

Projetos de Extensão   

- Canto das Flores ONLINE  Novo 3

     Logo Coleção Didática - definitivo

Fale conosco

Divulgação

HUNI na mídia

Eventos

Agradecimentos

Acesso do acervo HUNI

 >>> JABOT <<<

            Logo HUNI sem nome 

>>> SPECIES LINK <<<

           Logo HUNI sem nome

 Apoio

Logo FAPERJ






Colaboração                           

JBRJ

 

 INCT

SpeciesLink